Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

09/02/2018 - 17h04min. Alterada em 09/02 às 17h05min

Bolsas da Europa fecham em queda, com tombo na véspera em Nova Iorque e temor com Brexit

Os principais mercados acionários da Europa encerraram o pregão desta sexta-feira (9) em quedas consistentes, pressionados pela baixa forte na véspera em Nova York e a volta do impasse no processo de divórcio entre o Reino Unido e a União Europeia, o chamado Brexit. O índice pan europeu Stoxx 600 terminou em 368,60 pontos, queda diária de 1,45% e semanal de 5,02%.
Sinais de que o aperto monetário global está próximo e o impasse em torno do orçamento federal dos Estados Unidos fizeram as bolsas de Nova Iorque derreterem nos minutos finais do pregão desta quinta-feira. O índice Dow Jones fechou em queda superior a 4%, o que disparou ordens de venda nos demais indicadores acionários americanos.
O novo recuo das ações em Nova Iorque contaminou o sentimento dos investidores europeus desde a abertura nesta sexta-feira. Mas o noticiário político do continente também deu a sua contribuição.
No final de mais uma rodada de negociações do Brexit, a União Europeia subiu o tom e escancarou as críticas ao Reino Unido.
Em coletiva de imprensa, o negociador da UE para o Brexit, Michel Barnier, se disse surpreso com resistência do Reino Unido com termos da transição. David Davis, ministro do Reino Unido para o Brexit, alfinetou: "é surpreendente ouvir que posição britânica não está clara".
A discussão pública entre os dois negociadores azedou o sentimento dos investidores, e as bolsas da Europa tiveram fortes perdas diárias e semanais.
A Bolsa de Londres terminou em 7.092,43 pontos, queda diária de 1,09% e semanal de 4,72%. Com a forte queda do petróleo, as companhias do setor foram destaque de baixa - a BP terminou com perda de 2,30% e a Royal Dutch Shell (ações tipo B) cedeu 1,85%.
Em Lisboa, as ações que mais caíram foram as da Pharol (-4,72%), que sofre com o impasse das dívidas da Oi. O índice PSI-20 terminou em 5.294,90 pontos, queda diária de 1,55% e semanal de 4,02%.
A Bolsa de Paris recuou para 5.079,21 pontos, baixa diária de 1,41% e semanal de 5,33%. A de Frankfurt encerrou em 12.107,48 pontos, desvalorização respectiva de 1,25% e 5,30%. A de Madri caiu para 9.639,60 pontos, queda de 1,20% e 5,60%. A de Milão terminou em 22.166,75 pontos, perda de 1,33% e 4,46%.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia