Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 11 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 12/02/2018. Alterada em 11/02 às 22h10min

Rapidez das inovações assusta gestores

Executivos não têm preparo para gerenciar ameaças virtuais, diz Fleider

Executivos não têm preparo para gerenciar ameaças virtuais, diz Fleider


/CELSO DONI/CORDEL IMAGENS/DIVULGAÇÃO/JC
O ritmo acelerado do desenvolvimento tecnológico e as inovações disruptivas, juntamente com a resistência organizacional à mudança, são as maiores preocupações em 2018 para 728 líderes empresariais de diversas regiões do mundo. Eles foram ouvidos pela consultoria global Protiviti durante os meses de setembro a novembro de 2017.
Ao contrário do ano passado, em que as incertezas econômicas lideraram o ranking dos maiores medos, neste ano é a rápida velocidade das novidades tecnológicas que assusta. Isso porque essa nova realidade aperta o cerco nas organizações, que precisam demonstrar capacidade de gerenciar o risco adequadamente, com mudanças significativas nos atuais modelos de negócios. Outro ponto importante é o risco à segurança que essas novas tecnologias representam.
"As ameaças relacionadas à segurança cibernética impulsionam este medo e se tornaram um risco à parte neste ano depois de ataques cibernéticos em grande escala, como o WannaCry", afirma o sócio-diretor da consultoria global Protiviti Brasil, Fernando Fleider.
Segundo ele, muitos gestores admitem que não estão preparados para gerenciar as ameaças virtuais em grande escala. A boa gestão de privacidade e segurança da informação, bem como a proteção dos sistemas, exigirão dos executivos recursos significativos.
Outro risco identificado é o de que as companhias existentes não serão capazes de atender as expectativas de desempenho relacionadas à qualidade, tempo de mercado, custo e inovação. A concorrência que mais assusta é a das empresas que nasceram de forma digital e com uma base de baixo custo para suas operações. De acordo com o relatório, a incapacidade de utilizar a análise de dados para alcançar inteligência de mercado e aumentar a produtividade e eficiência afetará a gestão das operações e os planos estratégicos.
Paralelamente aos avanços tecnológicos, as preocupações mais críticas destacadas pelos executivos são os desastres naturais de impactos catastróficos, o crescimento do mercado de ações, as trocas de lideranças políticas, o terrorismo, as eleições na Europa e as ameaças de conflitos nucleares.
No Brasil, pelo fato de ser um ano de eleições, as incertezas políticas também estarão em pauta. E, do ponto de vista da América Latina, o tema Compliance continua na agenda dos executivos em função das prisões e processos judiciais, ocorridos em países como Brasil, Argentina e Peru.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia