Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Notícia da edição impressa de 09/02/2018. Alterada em 08/02 às 22h24min

Circular do governo regula concessão de empréstimos

O Banco Central (BC) publicou, nesta quinta-feira, circular com novas regras a serem seguidas por instituições financeiras para concessão de empréstimos a estados e municípios sem garantias da União. A circular altera a regra de cálculo do requerimento de capital dessas operações e determina que o Fundo de Participação dos Estados (FPE) e o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) não serão mais considerados como mitigador de risco.
Estas novas regras são resultado de questionamentos que surgiram a respeito da legalidade de empréstimos feitos pela Caixa Econômica Federal a estados e municípios que tinham, como garantia, as transferências feitas pela União por meio do FPE e do FPM. Em 31 de janeiro, havia a informação de que o Conselho de Administração da Caixa havia suspendido as operações de empréstimos a estados e municípios, porque a utilização de receitas tributárias e de repasses como garantia era controversa.
Em nota publicada em seu site, o BC informou que a medida tem "caráter prudencial". "Em que pese essas operações com garantias do FPE e do FPM apresentarem longo histórico de baixa inadimplência, quase nula (atualmente em 0,01%), observa-se que alguns estados e municípios apresentam um desafio fiscal", pontuou o BC. "Além disso, recentemente surgiram questionamentos em torno da legalidade de tais garantias, inclusive, com a ocorrência de um caso de inadimplemento decorrente da impossibilidade de execução dessa garantia. Esses fatores aumentam o risco dessas operações."
De acordo com a instituição, pelas novas regras, as garantias constituídas pelo FPE e pelo FPM não serão mais consideradas como mitigador de risco para fins do requerimento de capital. "Na prática, isso significa que eventuais novas operações com garantia desses fundos não poderão mais contar com a redução do capital requerido em virtude dessa garantia. Como consequência, o requerimento de capital das novas operações será maior", esclareceu o BC.
Já as operações contratadas com garantias dos fundos antes da edição da circular estarão sujeitas "ao regime prudencial até então vigente", conforme o BC. "O objetivo é evitar distorções nos parâmetros que balizaram sua precificação. O eventual aumento do risco esperado dessas operações será tratado por meio de ajustes no nível de provisionamento pelas instituições financeiras na sua gestão de risco", acrescentou a autarquia.
O BC lembrou ainda que o Tribunal de Contas da União (TCU) está analisando a questão da legalidade das garantias dadas - e não das operações em si. "O Banco Central adotará as medidas necessárias para assegurar o fiel cumprimento pelas instituições do Sistema Financeiro Nacional das decisões que sejam tomadas pelo órgão de controle", informou o Banco Central.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia