Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 08/02 às 08h21min

Após dia volátil e com foco na China, bolsas asiáticas fecham sem direção única

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta quinta-feira (8), num dia marcado por volatilidade, pela maior queda do yuan ante o dólar desde a segunda metade de 2015 e por novos dados da balança comercial chinesa, que superaram as expectativas.
Na China, o Xangai Composto caiu 1,43% hoje, a 3.262,05 pontos, pressionado por ações financeiras e do setor imobiliário, mas o menos abrangente Shenzhen Composto subiu 1,18%, a 1.743,57 pontos, apagando parte das perdas recentes.
Nesta quinta-feira (8), o yuan caiu 1,1% em relação ao dólar, registrando seu maior tombo desde agosto de 2015, quando o Banco do Povo da China (PBoC) desvalorizou a moeda em quase 2%.
Analistas não identificaram a causa da queda do yuan, mas o movimento coincidiu com a divulgação da balança comercial chinesa de janeiro.
Tanto as exportações quanto as importações da China subiram mais do que se previa no mês passado. Em relação a janeiro de 2017, as exportações chinesas tiveram alta de 11,1%, maior do que a projeção de analistas de +10,2%. Já as importações da segunda maior economia do mundo deram um salto anual de 36,9% em janeiro, superando de longe a previsão de +9,2%. Como resultado, o superávit comercial na balança comercial chinesa diminuiu de US$ 54,69 bilhões em dezembro para US$ 20,34 bilhões no mês passado.
Além disso, a mídia chinesa noticiou que Pequim estaria considerando relaxar os controles de capitais para permitir mais investimentos em fundos estrangeiros.
Em Tóquio, o Nikkei subiu 1,13%, encerrando o pregão a 21.890,86 pontos, graças ao bom desempenho de ações de exportadoras beneficiadas pelo enfraquecimento do iene frente ao dólar durante a madrugada.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng avançou 0,42% em Hong Kong, a 30.451,27 pontos, e o sul-coreano Kospi subiu 0,46% em Seul, a 2.407,62 pontos, mas o Taiex recuou 0,22% em Taiwan, a 10.528,52 pontos, e o filipino PSEi cedeu 0,26% em Manila, a 8.645,08 pontos.
A volatilidade na região asiática reflete os ziguezagues que as bolsas de Nova Iorque têm exibido nos últimos dias. Após sofrerem queda histórica na segunda-feira (5), os mercados de Wall Street tiveram uma recuperação vigorosa na terça (6) e apagaram parte das perdas. Ontem (7), fecharam em baixa de 0,08% a 0,90%.
Na Oceania, a bolsa australiana terminou a sessão em alta modesta, ajudada por ações de grandes bancos domésticos. O S&P/ASX 200 avançou 0,24% em Sydney, a 5.890,70 pontos. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia