Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Energia

07/02/2018 - 09h16min. Alterada em 09/02 às 18h27min

Ministro do TCU critica preço de venda da Eletrobrás

Vital do Rêgo reprovou o grande volumes de privatizações em pouco tempo. O valor mínimo estipulado para a Eletrobrás foi de R$ 12,2 bilhões.

Vital do Rêgo reprovou o grande volumes de privatizações em pouco tempo. O valor mínimo estipulado para a Eletrobrás foi de R$ 12,2 bilhões.


VANDERLEI ALMEIDA/AFP/JC
O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo Filho criticou a pressa do governo Temer em fazer um grande volume de privatizações em pouco tempo, principalmente no caso da Eletrobrás.
Vital do Rêgo determinou que a Secretaria-Geral de Controle Externo do órgão apresente, em 30 dias, o levantamento de todas as ações de fiscalização previstas para este ano, incluindo as focadas nos processos de desestatização. Uma das principais preocupações do ministro, segundo comunicado feito durante a sessão do dia 30 de janeiro,  se refere ao preço mínimo de R$ 12,2 bilhões estipulado para a Eletrobrás.
O ministro do TCU disse que o valor mínimo está relacionado à atividade da empresa e ao lucro que ela pode gerar. O ministro lembrou, no entanto, que a Eletrobrás possuía ativos totais de R$ 171,35 bilhões e R$ 46,83 bilhões de patrimônio líquido em 30 de setembro do ano passado. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia