Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Fiscalização

Notícia da edição impressa de 07/02/2018. Alterada em 06/02 às 22h19min

Senado aprova Paula Azevedo para conselheira do Cade

Nova integrante do Cade é filha do presidente da OMC, Roberto Azevêdo

Nova integrante do Cade é filha do presidente da OMC, Roberto Azevêdo


/EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO/JC
O Plenário do Senado Federal aprovou ontem, por 58 votos a 8, a indicação da advogada Paula Azevedo para conselheira do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Filha do secretário-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, e da embaixadora do Brasil junto à ONU, Maria Nazareth Azevedo, o nome de Paula foi levado até o presidente Michel Temer (PMDB) pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PSDB-CE).
Paula foi sabatinada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, tendo o nome aprovado por 15 votos favoráveis e nenhum contra no colegiado.
A sabatina da advogada teve a participação de poucos senadores, que fizeram perguntas sobre assuntos como os acordos de leniência assinados pelo Cade e a competência do conselho para analisar processos no setor bancário.
Em suas respostas, Paula lembrou que o Banco Central tem o papel de garantir a higidez do sistema, enquanto cabe ao Cade zelar pela concorrência, mas que existe um conflito entre as instituições que pode ser resolvido com um projeto de lei que tramita no Senado. Em 2001, a compra do BCN pelo Bradesco foi judicializada, e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que a competência é exclusiva do Cade. O processo foi levado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda não decidiu o tema. "A visão mais ponderada é de compartilhamento dessas competências. Cade e BC já têm um grupo de trabalho que está bem adiantado", afirmou. "Quanto maior a concorrência, melhor para o consumidor."
Sobre o valor das multas aplicadas pelo Cade, Paula disse que o aumento recente de leniências e termos de compromisso demonstra que os investigados estão preocupados com as punições aplicadas pelo conselho. "Isso indica que existe um efeito dissuasório da multa, que é tida como alta", afirmou.
Em sua fala inicial, Paula Azevedo destacou sua atuação no Sistema Brasileiro da Concorrência - ela foi coordenadora de Análise de Infrações em Agricultura e Indústria da extinta Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, e atuava recentemente como advogada em casos na área antitruste.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia