Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 07/02/2018. Alterada em 06/02 às 21h19min

Folga tirada pelos trabalhadores no Carnaval deve ser compensada

Apesar da sensação de que o País fica parado para dar espaço ao Carnaval, os dias de festa não são feriados e, portanto, quem não trabalha poderá ter de compensar as horas. Por outro lado, quem trabalha na segunda e na terça-feira não tem direito ao pagamento em dobro, como ocorre nos feriados.
A advogada Libia Alvarenga de Oliveira, do Innocenti Advogados Associados, explica que o calendário de feriados nacional não considera nem mesmo a terça-feira de Carnaval, então somente uma lei municipal ou estadual poderia incluir essa data.
Tradicionalmente, as empresas dispensam os funcionários até o meio-dia da Quarta-Feira de Cinzas. Portanto as horas de trabalho de segunda, terça e de uma parte da quarta precisarão ser negociadas entre os empregadores e os funcionários. É possível haver a dispensa gratuita, sem qualquer desconto no salário nem compensação de horas.
A outra possibilidade é negociar o uso de banco de horas ou a reposição em dias acordados. A modalidade de compensação dessas horas não trabalhadas durante a festa é decisão da empresa, caso não esteja definida na convenção coletiva da categoria.
Na cidade de São Paulo, o Carnaval não é feriado. Já no Rio de Janeiro, a terça-feira de Carnaval é feriado por lei municipal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia