Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Affonso Ritter

Observador

Notícia da edição impressa de 08/02/2018. Alterada em 07/02 às 23h06min

Artecola 1

Luiz Guimarães, interino guimaraes@jornaldocomercio.com.br
O pedido de recuperação judicial da Artecola ainda repercute e surpreende. Desde que foi fundada, há 70 anos, a empresa de Campo Bom acumulou gols de placa no jogo corporativo, figurando, por anos seguidos, como a campeã brasileira em internacionalização no segmento das corporações com faturamento de até R$ 1 bilhão. Daí a surpresa. Pouco se sabia do fracasso da joint venture montada com a Marcopolo no segmento da construção civil - desfeita em 2016 - e que teria sido o estopim da crise. Não é incomum empresas que se verticalizam demais perderem o foco e caírem em armadilhas de mercado, como parece ser o caso.
Artecola 2
Menos mal que o principal segmento do grupo está preservado. "O objetivo (da recuperação judicial) é proteger o negócio químico, que é saudável e capaz de oferecer resultados positivos a todas as partes interessadas, e, assim, seguir gerando valor", disse a empresa em nota. Aparentemente, a Artecola entrou com o pedido de recuperação bem antes de seu caixa se deteriorar a ponto de não ter mais volta. A maioria das companhias entra com o pedido quando sua situação financeira já está irreversivelmente comprometida. De acordo com a Serasa Experian, só uma em cada quatro empresas consegue retomar as operações depois de deixar o processo de recuperação judicial.
Poupança volta ao topo
Conhecida como a queridinha do pequeno poupador, a caderneta de poupança, mesmo rendendo apenas 70% da taxa referencial de juro, ou 0,39% ao mês, com a nova Selic de 6,75%, derruba muitos fundos de renda fixa, principalmente aqueles com taxa de administração entre 1,5% e 2%. Sair do fundo, no entanto, pode não ser um bom negócio, principalmente para quem já está vinculado a um há mais de dois anos, porque, se decidir retornar mais tarde, voltará pagando 22,5% de IR, a alíquota mais alta para quem começa uma aplicação.
Lactalis inaugura novas linhas
A Lactalis do Brasil inaugura, no próximo dia 28, duas novas linhas de produção: uma de leite UHT envasado em garrafas PET e outra de manteiga premium. Segundo o diretor de Comunicação Externa da Lactalis, Guilherme Portella, a produção de manteiga segue os padrões de fabricação adotados na França. Todos os equipamentos foram importados da Europa para seguir rigorosamente o método produtivo francês. O investimento total em Teutônia (garrafas e manteiga) foi de R$ 70 milhões. A capacidade instalada na nova fábrica de manteiga é de 50 toneladas por dia, e a expectativa é de uma produção inicial de 600 toneladas por mês. Com relação às garrafas PET, a unidade terá condições de fabricação de 7 milhões de unidades de um litro por mês.
Sicredi é destaque em ranking do BC
Na divulgação do Ranking das Instituições Top 5 de 2017, que o Banco Central faz dos participantes do Sistema Expectativas de Mercado, sobre as projeções econômicas mensais mais consistentes ao longo do ano passado, o Sicredi figura na 2ª colocação sobre previsões de inflação, estando presente tanto nas categorias Atacado (IGP) quanto na de Consumidor (IPCA). Participam do ranking mais de 100 organizações, incluindo as maiores instituições financeiras e consultorias de economia do País.
Ecos da NRF 2018
Alexandre Skowronsky, da Global, voltou empolgado da NRF 2018, em Nova Iorque, maior feira de varejo do mundo, que reuniu mais de 600 expositores e milhares de visitantes de 95 países, de 14 a 16 de janeiro. O forte impacto da transformação digital nos negócios fez coro entre muitos debates. Um exemplo citado por Skowronsky é o crescimento de vendas por meio dos canais digitais e o quanto o Brasil ainda pode crescer neste sentido. O site de e-commerce com sede na China, Alibaba, por exemplo, vende, em um único dia, o que todo o e-commerce do Brasil vende em um ano. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia