Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 06/02/2018. Alterada em 05/02 às 21h29min

Um triste fim

CLOVIS HEBERLE/DIVULGAÇÃO/JC
A maioria dos grandes clubes sociais das praias tem o mesmo fim dos primos da cidade grande. Um a um, vão desfalecendo: ou estão em coma, ou morreram. A Sociedade Amigos da Praia do Imbé (Sapi) está neste estado, logo ela, cujo prédio foi projetado pelo arquiteto Fernando Corona. Hoje, está tomado por moradores de rua e catadores de lixo. Para pular Carnaval, quem não fosse sócio precisaria ter um pistolão daqueles.

Na terra do Pateta

O fundamentalismo guasca ensaia resistência caso a rede catarinense Havan coloque uma réplica da Estátua da Liberdade nas lojas que pretende abrir no Estado. Querem réplica do Laçador. Pois é, mas são os mesmos que falam halloween, hot dog, food truck, fast food, happy hour, drag queen, i love you? E, em Mariluz, têm as ruas Huguinho, Zezinho, Luizinho e Mickey, e todos querem ir para a Disneylândia.

Armadilhas virtuais

O ataque cibernético que aconteceu em 2017 acendeu uma maior procura por seguros para riscos cibernéticos pelas empresas do mundo inteiro. De acordo com a corretora Aon, o aumento chegou a 200%. Podem crer que vai subir muito mais.

Tecnologia aeroportuária

Quem diria no passado que aeroportos não viveriam sem animais. Falcões são usados para espantar aves, cães farejadores são essenciais para localizar drogas e agora eles são usados para fins recreativos. O Aeroporto La Guardia, Nova Iorque, os usa para aliviar viajantes irritados com atrasos e obras nos terminais.

Livre iniciativa

Cansados de esperar uma ação da prefeitura, que anunciou colocar em dia a capina da cidade nos próximos seis meses, um grupo de moradores da rua Comendador Azevedo, no bairro Floresta, fez um mutirão. No sábado eles fizeram a capina, varreram e pintaram o meio fio da rua.

Policiamento ostensivo

O maior policiamento ostensivo em Porto Alegre é perceptível, seja em cruzamentos de grandes avenidas, seja em operações realizadas em bairros. Na semana passada, havia 20 brigadianos num raio de seis quadras do Moinhos de Vento.

Sai dessa

Entre outras vicissitudes, usuários dos Correios enfrentam a falta de bom senso. Depois de 20 dias de espera, leitor descobriu que encomenda "expressa" que esperava postada no Paraná estava na unidade da avenida Sertório. Que não possui atendimento ao público.

Tecnologia aeroportuária

Quem diria, no passado, que aeroportos não viveriam sem animais. Falcões são usados para espantar aves, cães farejadores são essenciais para localizar drogas, e agora eles são usados para fins recreativos. O Aeroporto La Guardia, de Nova Iorque, os usa para aliviar viajantes irritados com atrasos e obras nos terminais.

Livre iniciativa

Cansados de esperar uma ação da prefeitura da Capital, que anunciou colocar em dia a capina da cidade nos próximos seis meses, um grupo de moradores da rua Comendador Azevedo, no bairro Floresta, fez um mutirão. No sábado, capinaram, varreram e pintaram o meio-fio da rua.

Mais um

Estado criando um novo documento de identidade, o Documento Nacional de Identificação, que vai englobar outros documentos. Os outros serão eliminados aos poucos. Tudo bem, tudo bonito, mas esse filme tem décadas de exibição, dizem que vai, mas nunca foi.

Barato sai caro

Há um aspecto que incomoda nos assaltos a caixas eletrônicos de agências bancárias, especialmente no Interior. Poucos bancos utilizam a tecnologia de danificar cédulas com jatos de tinta caso sejam arrombadas, ao passo que outros não a usam. Pagar seguro seria mais barato ou qual a explicação? Fosse norma, esse tipo de ação murcharia.

Miúdas

  • PRIMEIRO evento do ciclo Conexões de Negócios do Jornal do Comércio será hoje, das 18h às 20h, no Salão de Eventos do JC. Inscrições esgotadas, mas terá transmissão ao vivo na página do Face do jornal.
  • PREÇO do coco em Imbituba (SC) é de R$ 2,00. Aqui, chega a custar R$ 6,00.
  • PREÇO do filé mignon no Super Altoff da cidade: R$ 19,00 o quilo. Será que só o ICMS menor explica?
  • MODA das miniempadas tem uma explicação lógica. De tão pequenas, elas quase não têm recheio.
  • EM caso de ganhar na Mega acumulada, há uma regra de ouro: nunca conte aos outros o que eles não precisam saber.
  • MULHERES jogam menos nas loterias da Caixa, é verdade, daí que dificilmente uma ganha Mega acumulada.

Finais

CHOCOFEST está de volta, desta vez em Nova Petrópolis. Lançamento será dia 16. jornalista Nelson Matzenbacher Ferrão já está na equipe da Uffizi como consultor estratégico. SHERATON Hotel promove, até dia 25, diária com valor especial para quem doar um pacote de ração para cães no check-in.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
djalmo sanzi souza 06/02/2018 15h24min
Prezado jornalistanLeis regulamentam as obrigações de uma empresa para estabelecer-se em um município. Elas disciplinam questões tributárias, trabalhista, sanitárias, etc. Se a empresa cumpri-las, como um movimento ou deputado poderá criar restrições? Qual lei define como deve ser a estética do prédio? Quem visita os países do leste europeu constata que os monumentos de líderes soviéticos, ídolos dos fundamentalistas guascos, foram demolidos. Espero que o bom senso prevaleça. Um abraço. n
paulo roberto brambilla 06/02/2018 11h27min
morei 14 anos em B.Camboriú, de março a fim de novembro, lá, com exceção da coca cola e do carvão, é tudo mais barato que no RS.
Carlos Alberto 06/02/2018 11h15min
Caro Albrecht, bom dia. Excelente a nota sobre Caixas Eletrônicos. Bem colocado e inteligente questionamento a ser respondido. Valeu.