Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 11 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

empreendedorismo

Notícia da edição impressa de 12/02/2018. Alterada em 09/02 às 20h06min

Cresce busca por microcrédito

Osaba/Freepik.com/Divulgação/JC
Mesmo com o País ainda em recessão, no início de 2017, a cabeleireira Iraci Martins decidiu ampliar seu negócio e montar uma sala de estética ao lado de seu salão de beleza, na capital paulista. Sem acesso a linhas convencionais de crédito nos bancos, ela conseguiu um empréstimo de R$ 5 mil numa modalidade de financiamento voltada para microempreendedores, o microcrédito. Não foi a primeira vez que ela buscou ajuda nesse tipo de crédito.
Para montar o salão, há seis anos, os recursos também vieram do microcrédito. "O último empréstimo quitei há uns oito meses e serviu para a montagem da minha sala de estética. Agora, vou pegar mais recursos, porque o meu salão foi roubado, tive um prejuízo de R$ 5 mil e preciso repor o estoque."
O mercado de crédito encerrou 2017 com retração de 0,6% nos bancos, segundo dados do Banco Central (BC). Mas as linhas do microcrédito começaram a pegar impulso no segundo semestre. Cresceram quase 5% entre julho e dezembro, de acordo com o BC, na comparação com o mesmo período de 2016. Já o crédito total avançou apenas 0,2% no mesmo período. Neste ano, dizem os bancos, o microcrédito deve voltar a crescer nos patamares históricos.
"A maioria dos nossos clientes é do comércio. Eles reagem rápido a qualquer movimento de melhora da economia e buscam mais recursos", diz Alex Araújo, superintendente de microfinanças do Banco do Nordeste. "E, neste ano, com a economia mais forte, estamos preparados para voltar a crescer 15% na oferta do microcrédito."
Com juro médio de 2,4% ao mês (as taxas variam de 1,8% a 3%), mesmo patamar do crédito consignado, o microcrédito acaba sendo uma opção mais barata de empréstimo para quem precisa de recursos para empreender. A ex-ambulante Somara Oliveira de Rosa, do Rio de Janeiro, conta que, antes de conhecer essa linha de crédito, tomava dinheiro emprestado com agiotas para comprar mercadorias.
"Eu pegava dinheiro com o agiota, pagava um juro de 30%, e isso me apavorava. Sempre faltava dinheiro, e ele ficava ali do lado da barraca esperando. Até que vi um panfleto de banco que falava do microcrédito. Foi quanto resolvi tentar", explica Somara, que se prepara para uma nova operação, de R$ 15 mil, para renovar os estoques.
O primeiro empréstimo de Somara, de R$ 1 mil, foi dividido em seis vezes, com juros de menos de 2% ao mês. O dinheiro foi utilizado para iniciar a montagem de um salão de beleza. De lá para cá, a agora empreendedora já perdeu as contas de quantas vezes recorreu ao microcrédito, mas garante que ele ajudou na expansão do negócio, que tem também um espaço para venda de roupas e bijuterias.
Para ter acesso aos recursos, ela entrou num grupo em que todos os participantes tomaram empréstimos nessa modalidade. Podem ser parentes, amigos ou pessoas com afinidade profissional, e todos são responsáveis pelo pagamento em dia, o que ajuda a reduzir a inadimplência - neste segmento, segundo os bancos, ela gira em torno de 5%.
Um dos fatores que limitam a abrangência do microcrédito, segundo especialistas, é o custo elevado dos bancos para prospectar clientes. Ao contrário da pessoa que toma crédito no caixa eletrônico ou vai até uma agência bancária, no microcrédito, agentes de crédito visitam as localidades para oferecer os recursos. Como o tíquete médio é pequeno, de R$ 500,00 a R$ 2 mil, o retorno é baixo para os bancos. Por isso, as instituições precisam de escala, além de investir em tecnologia para reduzir custos.
"Mas, com a queda da Selic, a taxa básica de juros, os bancos terão que aumentar seu volume de empréstimos para manter os ganhos. O microcrédito era uma modalidade com risco muito alto e baixo retorno, mas agora se torna interessante para os bancos. Especialmente para grandes bancos, com grande capilaridade, que chegam a regiões distantes do País", observa Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor de pesquisa econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac) e estudioso do mercado de crédito.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia