Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Eleições 2018

Alterada em 12/01 às 11h02min

Haddad afirma que não será candidato nas eleições de 2018

Ex-prefeito de São Paulo foi convidado para disputar vaga no Senado

Ex-prefeito de São Paulo foi convidado para disputar vaga no Senado


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) afirmou nesta quinta-feira (11) que não concorrerá a nenhum cargo na eleição deste ano. Haddad foi convidado pelo partido para ser candidato ao Senado, mas, diante da decisão do vereador Eduardo Suplicy de disputar a vaga, disse que não entrará no páreo.
"Eu deixei claríssimo ao PT que não disputaria com Suplicy", disse Haddad. "Não faz sentido que sejam lançados dois nomes. Quando aconteceu de o mesmo partido eleger dois senadores? Só em 1994, no Plano Real."
Escolhido para coordenar o programa de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Haddad negou, porém, que sua amizade com Suplicy tenha sido abalada pelo episódio. Nos bastidores do PT há comentários de um mal-estar entre os dois. "Qual mal-estar? Se há mal-estar, não é comigo", disse Haddad. "Eu estou muito confortável como coordenador do programa de governo do Lula."
Suplicy também negou atritos com Haddad sobre a vaga ao Senado. "Ele é meu amigo há 30 anos e pode contar comigo para o que quiser", afirmou.
O ex-prefeito tem sido citado como possível plano B do PT para a Presidência, caso Lula seja condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), no dia 24, e não possa concorrer. Haddad, no entanto, sofre resistências no próprio partido para ocupar a vaga. Se o PT tiver de substituir Lula na última hora, após esgotar todos os recursos judiciais, o mais cotado para o posto é o ex-governador da Bahia Jaques Wagner.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia