Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

governo federal

Notícia da edição impressa de 12/01/2018. Alterada em 11/01 às 21h33min

Rodrigo Maia buscará apoio de governadores para votação

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse, nesta quinta-feira, que vai tentar construir a participação dos governadores para apoiar a aprovação da Reforma da Previdência. Em sua conta pessoal no Twitter, Maia postou que começou o trabalho para a conquista dos votos.
Em campanha para buscar apoio a sua candidatura à Presidência da República nas eleições deste ano, o presidente da Câmara informou que tomou café da manhã nesta quinta com representantes do PR, em Brasília, e que vai almoçar com o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, em Florianópolis. Colombo é do PSD, mesmo partido do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.
PR e PSD são os partidos do chamado "centrão" que mais resistem à aprovação da reforma da Previdência. A reforma é considerada por aliados de Maia como um dos marcos para o eventual lançamento oficial da candidatura dele, que só poderá ocorrer a partir de março.
Foi justamente em razão da reforma que o presidente da Câmara pediu ao DEM para adiar para o fim de fevereiro a convenção nacional do partido, quando Maia deve ser lançado oficialmente como pré-candidato. O deputado quer chegar ao evento já com a reforma aprovada, para usá-la em seu discurso. Na avaliação de aliados, Maia precisa da aprovação da reforma para "reforçar" seu poder de articulação.
Maia começou a se movimentar para se viabilizar como candidato ao Palácio do Planalto. A articulação envolve conversas com partidos e uma agenda de viagens dentro no País e no exterior para se tornar mais conhecido.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia