Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

polícia federal

Notícia da edição impressa de 12/01/2018. Alterada em 11/01 às 22h31min

Delegado da Operação Lava Jato muda de unidade na PF

O delegado de Polícia Federal (PF) Márcio Adriano Anselmo, responsável pela investigação originária da Operação Lava Jato, vai para Brasília, em missão especial. Ele aceitou o convite para assumir a Divisão de Repressão aos Crimes Financeiros (Dfin), uma das mais importantes unidades na estrutura da corporação.
Anselmo não foi apenas o responsável pela origem da Lava Jato. Durante o longo período em que integrou a força-tarefa da PF ele protagonizou capítulos históricos da investigação - por exemplo, prendeu no dia 19 de junho de 2015 o empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht, em São Paulo, e conduziu os inquéritos contra o ex-presidente Lula.
Desde janeiro de 2017, o delegado ocupa o posto de chefe da Corregedoria da Superintendência da Polícia Federal, no Espírito Santo. Na quarta-feira, Anselmo recebeu convite de Brasília.
Em 2013, Márcio Anselmo iniciou a operação que mirava a lavagem de dinheiro da família do ex-deputado federal José Janene (PP-PR), morto em 2010, e do doleiro Alberto Youssef. Seu trabalho, em conjunto com outros delegados e agentes federais, resultou na Lava Jato - que teve sua primeira fase ostensiva iniciada em março de 2014.
Especialista em crimes de combate à corrupção e de lavagem de dinheiro, Anselmo assumirá a Dfin ainda em janeiro. Anselmo pediu para sair da Lava Jato em meados de 2016, motivado "por esgotamento físico e mental causado pelos mais de três anos" que esteve à frente dos inquéritos da operação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia