Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 10/01/2018. Alterada em 09/01 às 20h28min

Polícia Federal descarta sabotagem em avião que caiu com Zavascki

O diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segovia, vai se encontrar com a ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, às 10h30min de hoje, para tratar do andamento da investigação sobre o acidente aéreo que matou o ministro Teori Zavascki e outras quatro pessoas, em 19 de janeiro de 2017.
De acordo com as investigações, não foram encontrados vestígios de qualquer falha que pudesse ter sido evitada antes da decolagem da aeronave. Também não foi encontrado vestígio de explosivos ou produtos químicos que pudessem causar incêndio dentro do avião.
Desde o dia da queda, os motivos do acidente são investigados pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes da Aeronáutica (Cenipa) e pela PF de Angra dos Reis. Além de periciar destroços do avião e gravações das conversas entre piloto e torre de controle, o inquérito fez exames nos corpos do piloto, do ministro e das outras vítimas para descartar qualquer tipo de anormalidade que possa ter causado o acidente.
A aeronave, decolou às 13h01min do Campo de Marte, em São Paulo, e a Marinha foi informada da queda às 13h45min. O avião caiu perto da Ilha Rasa, em Paraty (RJ), a dois quilômetros da cabeceira da pista onde pousaria.
Além do ministro, morreram o empresário Carlos Alberto Filgueiras, dono da avião, o piloto Osmar Rodrigues, a massoterapeuta Maíra Panas e sua mãe, Maria Hilda Panas Helatczuk. Embora não tenha concluído a investigação, a PF descarta sabotagem.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia