Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 17/01/2018. Alterada em 16/01 às 20h07min

A economia brasileira em 2018

Denilson Alencastro
A expectativa é que o cenário econômico nacional continue marcado pelos juros baixos, com mais uma provável queda na taxa básica - a Selic - em fevereiro. Depois disso, espera-se gradual retomada de alta. Pelo fato da redução da taxa de juros básica também ter sido gradual e de ainda não ter dado resultados na economia real, espera-se esse impacto vindouro.
Um dos efeitos mais claros disso é o setor de consumo puxando a retomada da economia brasileira em 2018 pelo lado da demanda. O desempenho do mercado de trabalho, a melhora das condições de crédito e confiança do consumidor devem ajudar ainda mais em 2018, visto que impactaram positivamente em 2017. A melhora recente no ânimo dos consumidores reflete ainda mais a queda nos juros, a inflação menor e redução do endividamento, permitindo às famílias fazerem novos empréstimos. Diante isso, devemos observar continuidade na moderação do crescimento dos bens não duráveis e retomada dos bens duráveis, mais relacionados ao crédito e às taxas de juros. No entanto, a melhora dos níveis de investimento ainda deve ser baixa, considerando-se a média histórica, o que limita a expansão da economia. Além disso, do lado da oferta, há divergência dos especialistas em relação ao nível da retomada de uma das mais importantes atividades econômicas brasileiras, que é a agropecuária. Apesar de 2018 ser um ano eleitoral no Brasil, até o início do segundo semestre, o cenário econômico permanece descolado do político.
Economista-chefe da Geral Investimentos
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia