Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 04/01/2018. Alterada em 03/01 às 21h37min

Privatização do ensino público

Sillas B. Neves
Por mais altos que sejam os investimentos públicos na educação (a Constituição Federal estabelece que os estados devem aplicar, anualmente, nunca menos de 25% da receita resultante de impostos para a manutenção e desenvolvimento do ensino), o governo não consegue estabelecer um sistema de ensino público eficiente. Em meio à recente greve dos professores públicos estaduais, devemos pensar em alternativas. Sendo assim, não seria mais eficiente privatizar o sistema público de ensino e permitir a compra de vagas nas escolas privadas pelo governo?
Quer nos parecer que dessa forma o dever do Estado de garantir acesso à educação seria muito mais bem executado, pois o governo concentraria esforços apenas em garantir a compra das vagas, em vez de garantir também a manutenção de um sistema que prescinde de estrutura, quadro funcional, material didático, entre outros. A compra dessas vagas na rede privada se daria pela concessão de um valor mensal por aluno. Com esse voucher, os pais poderiam colocar seus filhos na escola que julgassem mais adequada, sem qualquer determinação ou restrição estatal.
A competição entre as escolas, além de reduzir o valor da mensalidade, tem o potencial de aumentar a qualidade do ensino, uma vez que essas instituições terão de achar formas de se diferenciar umas das outras para conquistar o investimento dos alunos. A privatização do ensino público, portanto, além de tornar o Estado mais eficiente no cumprimento do seu dever constitucional de prover educação, tem o potencial de melhorar a qualidade do ensino no País. Assim como a nossa proposição, existem muitas outras. Sabemos que a mudança não será um caminho fácil, mas precisamos alterar o atual sistema. A educação no País está destroçada, e é somente com educação que conseguiremos trazer a lucidez necessária para transformarmos o Brasil.
Advogado, associado do IEE
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia