Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

irã

Notícia da edição impressa de 12/01/2018. Alterada em 11/01 às 22h31min

Líderes pedem que EUA não abandone acordo nuclear com Teerã

Alemanha, França e Reino Unido pediram ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que não abandone o acordo nuclear com o Irã. O secretário de Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, alegou que oponentes à medida não mostraram uma alternativa melhor para impedir que o Irã desenvolva seu programa.
O ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, apelou aos EUA para que cumpra seus compromissos. A fala foi feita antes do anúncio do governo Trump, esperado para esta sexta-feira, sobre se Washington manterá o alívio às sanções contra Teerã, em consonância com o acordo de 2015. O pacto paralisou a maioria das sanções internacionais contra o Irã em troca de uma redução significativa do crescente trabalho nuclear do país. "É essencial que todas as partes continuem a cumprir seus compromissos", disse Le Drian. "Também é preciso que nossos aliados nos EUA façam o mesmo e indiquem que farão o mesmo."
Na manhã desta quinta-feira, os ministros de Relações Exteriores da França, da Alemanha e do Reino Unido, bem como a chefe de política externa da União Europeia, Federica Mogherini, se encontraram com o ministro iraniano de Relações Exteriores, Javad Zarif. Os governos europeus apoiaram fortemente o acordo nuclear iraniano e insistiram em respeitar o que quer que o governo Trump decida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia