Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 10/01/2018. Alterada em 09/01 às 22h30min

Trump deve depor em investigação sobre a Rússia nas próximas semanas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pode ser ouvido dentro de algumas semanas, como parte da investigação do procurador especial Robert Mueller sobre a interferência russa na eleição presidencial dos EUA em 2016, noticiaram ontem o jornal Washington Post e a agência de notícias Associated Press.
Mueller levantou a questão de uma inquirição de Trump durante uma reunião no fim de dezembro com os advogados do presidente, John Dowd e Jay Sekulow. O depoimento, que teria uma quantidade limitada de perguntas, pode ocorrer nas próximas semanas. O advogado da Casa Branca, Ty Cobb, não quis comentar o assunto.
Mueller foi indicado pelo Departamento de Justiça para investigar alegações de interferência da Rússia nas eleições de 2016 e possível conluio com a campanha de Trump. Agências de inteligência dos EUA concluíram que Moscou interferiu na eleição norte-americana para tentar ajudar o republicano a vencer. O Kremlin nega qualquer intromissão, e Trump afirma que não houve conluio.
Ainda se recuperando das denúncias do livro que conta bastidores da Casa Branca em sua gestão, Trump terá de enfrentar um dos mais complicados assuntos do governo. A trama, inclusive, pode ser base de um pedido de impeachment.
As investigações podem atingir o presidente de três maneiras: pelo conhecimento das negociações com os russos por informações que poderiam comprometer a campanha de Hillary Clinton; pela acusação de obstrução de Justiça - Trump é acusado de pedir o fim da investigação contra um ex-assessor e de trocar o chefe do FBI após ele pedir mais recursos para apurar o caso; e por questões econômicas, uma vez que a investigação de Mueller pode acabar respingando na saúde financeira do grupo empresarial do presidente.
Relativamente alheio a isso, Trump fez um discurso que foi considerado uma tentativa de mostrar normalidade, com um tom arrogante, em um evento em Nashville, no Tennessee, na tarde de ontem. "Vocês estão tão felizes por terem votado em mim. Têm tanta sorte de eu ter dado a vocês esse privilégio", disse o presidente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia