Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Egito

Alterada em 08/01 às 18h33min

Egito vai realizar eleição em março, em meio a repressão contra opositores

Autoridades egípcias disseram hoje que o país realizará eleições presidenciais em março, ao longo de três dias. É quase certo que o atual presidente Abdel-Fatá el-Sisi conquistará um segundo mandato de quatro anos, em meio a uma forte repressão contra seus opositores.
El-Sisi ainda não anunciou formalmente sua candidatura, mas falta menos de três meses para a eleição e ainda são surgiu nenhum candidato que represente um desafio sério. Quase todos os críticos conhecidos do governo foram presos, deixaram o país ou foram silenciados, enquanto as autoridades bloqueavam centenas de sites e proibiam qualquer manifestação não autorizada.
Entretanto, el-Sisi tem reunido apoio através de suas funções oficiais e fala de novos projetos de infraestrutura, além de prever bom desempenho econômico, após anos de turbulência política e econômica no país.
El-Sisi tem encorajado as pessoas a votar, temendo que uma baixa participação nas eleições prejudique sua legitimidade. Aparentemente, o motivo de a eleição se estender por três dias (de 26 a 28 de março) é para aumentar a participação.
Ex-general, el-Sisi comandou em 2013 a derrocada de um presidente islâmico eleito. Desde então, as autoridades prenderam centenas de críticos, incluindo ativistas responsáveis pelas manifestações que levaram à queda de Hosni Mubarak. Muitos ativistas dos direitos humanos também são duramente reprimidos pelo regime de el-Sisi, sendo proibidos inclusive de deixar o país. Fonte: Associated Press.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia