Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema prisional

Alterada em 26/01 às 19h14min

Estado negocia com prefeituras instalação de dois novos presídios na RMPA

Valores para construção virão do leilão de estruturas do Corpo de Bombeiros e ginásio da BM

Valores para construção virão do leilão de estruturas do Corpo de Bombeiros e ginásio da BM


CLAITON DORNELLES /JC
Paulo Egídio
Com o valor residual do leilão do ginásio da Brigada Militar (BM) e do terreno onde ficam a escola e o comando do Corpo de Bombeiros em Porto Alegre, o governo do Rio Grande do Sul pretende construir dois novos presídios na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA).
De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a expectativa é de abrir até 800 novas vagas prisionais com as novas unidades. Em nota, a pasta informa que já deu início a tratativas com prefeitos da RMPA para a instalação das casas prisional, mas ainda não há definição com relação aos locais escolhidos.
A construção dos presídios será financiada com recursos obtidos da venda de áreas onde ficam o ginásio da BM, semidestruído por um vendaval de outubro de 2017, e estruturas dos Bombeiros, localizadas no cruzamento das avenidas Ipiranga e Silva Só, zona nobre de Porto Alegre.
Além das unidades prisionais, o governo deve erguer novas edificações para os Bombeiros, na área do Centro Estadual de Treinamento Esportivo (Cete), no bairro Menino Deus, e um novo complexo esportivo para a BM, na sede da Academia de Polícia Militar. “Os projetos foram construídos em conjunto com o comando da Brigada Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, buscando estruturas maiores e mais modernas”, diz a SSP.
De acordo com a secretaria, não há procedência na afirmação da Associação dos Bombeiros do Rio Grande do Sul (Abergs), que divulgou nota nessa quinta-feira (25), dizendo que apenas R$ 35 milhões do valor arrecadado com o leilão serão revertido às corporações. “Como o leilão ainda não ocorreu, é impossível fazer qualquer conjectura a respeito de valores”, esclarece a pasta.
No início de janeiro, o secretário-adjunto de Segurança, coronel Everton Oltramari, disse que a expectativa do governo estadual seria arrecadar R$ 119 milhões com a venda das duas áreas. A SSP também afirma que o Cete continuará aberto ao público e não terá a sua rotina alterada devido à montagem no local da unidade dos Bombeiros. Além disso, a pasta diz que o centro de treinamento não será considerado área militar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia