Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Prisional

Notícia da edição impressa de 23/01/2018. Alterada em 22/01 às 21h33min

Agentes do presídio de Uruguaiana realizam operação padrão

O Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado do Rio Grande do Sul (Amapergs) deflagrou operação padrão na Penitenciária Modulada Estadual de Uruguaiana (Pmeu). Os servidores alegam questões de segurança e falta de efetivo funcional para tomar a iniciativa. Com isso, ficam suspensas as atividades externas, e agentes que não receberem o material de proteção estão orientados a atuar somente no setor administrativo. O documento comunicando a decisão foi encaminhado ontem à Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe). O órgão confirmou que a Pmeu trabalha com 30% da capacidade de servidores, dentro das condições estabelecidas no ofício da Amapergs.
O principal gatilho para a decisão foi a localização, na semana passada, de explosivos nas imediações da unidade. Segundo a Brigada Militar, o artefato tinha potencial semelhante à dinamite usada para destruição de pedreiras, e poderia ter derrubado boa parte do muro, além de colocar em risco a vida dos servidores. No ofício, a Amapergs aponta outras precariedades, como pouca frequência na revista geral dos presos e carências de transporte e equipamentos. No momento, 647 apenados cumprem pena na Pmeu, quando a capacidade física prevista é de 360 presos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia