Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança

Notícia da edição impressa de 17/01/2018. Alterada em 16/01 às 22h10min

Obras da nova cadeia de Porto Alegre estão 30% prontas

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, as obras da nova cadeia pública, em terreno localizado junto ao atual Presídio Central de Porto Alegre, estão 30% concluídas. Já foram erguidas duas galerias, e, se o ritmo for mantido, é possível que a construção da nova unidade seja finalizada antes do prazo previsto, em agosto. Levando em conta a instalação de equipamentos e outros trâmites burocráticos, a entrega da cadeia está projetada para outubro deste ano.
O cronograma não foi alterado pela licença ambiental definitiva para a obra, emitida pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade no começo da semana. O Grupo Zaffari, responsável pela empreitada, já tinha uma licença provisória para a construção, iniciada em dezembro do ano passado. O documento emitido pela prefeitura tem validade de um ano, com renovação por igual período. 
A nova unidade será erguida a partir de uma permuta, que, em troca da unidade prisional, cederá ao grupo empresarial um terreno da Fundação de Desenvolvimento e Recursos Humanos, localizado na avenida Praia de Belas, na Capital. Com área de pouco mais de 5 mil metros quadrados, a estrutura será de caráter horizontal, semelhante ao adotado na Penitenciária Estadual de Canoas, e terá um acesso diferente do utilizado para o Presídio Central. A capacidade prevista é de 416 presos, com investimento total estimado em R$ 28 milhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia