Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Febre amarela

Alterada em 16/01 às 22h27min

OMS inclui cidade de São Paulo em área de risco para a doença

Considerando o aumento de casos de febre amarela em macacos e humanos no Brasil desde o ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta os turistas estrangeiros com planos de visitar o estado de São Paulo a se vacinar contra a doença ao menos dez dias antes da viagem. A alteração, publicada ontem, passa a considerar como área de risco uma porção do estado que inclui o litoral e a capital paulistana, para os quais não havia recomendação de vacina até então.
Até o surto de febre amarela registrado em 2017, a OMS recomendava a vacina para todos os estados do Norte e do Centro-Oeste do Brasil, além de Maranhão, Minas Gerais e trechos de estados do Sul, São Paulo, Bahia e Piauí. Com o aumento de casos, a entidade passou a considerar o Norte do estado do Rio de Janeiro, o Sul da Bahia e todo o Espírito Santo como área de risco para a febre amarela.
O texto sobre a recomendação, publicado no site da OMS, observa que, de dezembro de 2016 a junho de 2017, o Brasil registrou 777 casos de febre amarela, com 261 mortes, em oito estados. A maioria dos diagnósticos estava concentrada em Minas Gerais, mas muitas ocorrências foram confirmadas também em São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Mato Grosso, Pará e Tocantins. Em São Paulo, o governo contabiliza 21 mortes desde janeiro de 2017.
O número de casos de febre amarela avança no Brasil. De julho de 2017 a 14 de janeiro, foram confirmadas 35 ocorrências, com 20 mortes, a maior parte em São Paulo - o estado contabiliza 20 infecções confirmadas, com 11 óbitos. O Rio de Janeiro já teve três mortes neste ano. Os registros são significativamente maiores do que os apresentados na última semana de dezembro. Na ocasião, o País contabilizava quatro infecções, com uma morte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia