Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Clima

Alterada em 12/01 às 14h34min

Chuva diminui, mas deixa mais de 1,3 mil desabrigados em Santa Catarina

Em poucos dias, choveu o equivalente a dois meses de chuva no Estado

Em poucos dias, choveu o equivalente a dois meses de chuva no Estado


Celesc/Divulgação/JC
A chuva diminuiu em Florianópolis mas deixou um rastro de destruição. De acordo com a Defesa Civil, 1,3 mil pessoas foram obrigadas a deixar suas casas e estão abrigadas junto com amigos e parentes ou em prédios públicos improvisados para recebê-las, como a Escola Donícia Maria da Costa, no bairro Saco Grande, e a Passarela Nego Quirido, no Centro.
A forte chuva afetou o litoral catarinense desde segunda-feira (8) até quinta-feira (11). Neste período, choveu na capital catarinense 400 mm, o equivalente a dois meses de chuva no Estado. Duas pessoas morreram no Estado e outras duas continuam desaparecidas. 
Nesta sexta, o vice-governador Eduardo Moreira avaliou os problemas decorrentes da enxurrada. "A situação está controlada. As estradas estão transitáveis, não faltam água e energia e os sistemas de segurança e saúde estão todos funcionando normalmente", informou. O governador Raimundo Colombo (PSD) autorizou o repasse de R$ 3 milhões à prefeitura de Florianópolis para reparos emergenciais.
A Defesa Civil organizou uma força-tarefa entre poder público municipal, estadual, Corpo de Bombeiros e Assistência Social para que a cidade possa voltar à sua rotina o mais breve possível. Pelas estatísticas, há 30 residências interditadas por risco de desabamentos, quatro pontes destruídas, danos em diversas vias públicas e rodovias. Além de incontáveis prejuízos a bens particulares, como carros, eletrodomésticos e mobílias. Há quatro postos de doação espalhados na cidade.
Os outros municípios que registraram ocorrência são Lauro Muller, Imbituba, Braço do Norte, São José, São João Batista, Biguaçu, São Francisco do Sul, Penha, Itapema, Balneário Camboriú, Itajaí, Bombinhas, Navegantes, Taió, Camboriú, Porto Belo, Governador Celso Ramos, Tijucas, Palhoça e Canoinhas. 
Com informações do Estadão Conteúdo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia