Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 12/01/2018. Alterada em 11/01 às 21h36min

Medicamento pré-exposição ao HIV está disponível em Porto Alegre

O tratamento Truvada, liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para os casos de pré-exposição ao vírus HIV, já está disponível na rede municipal de saúde de Porto Alegre. Para obter o remédio, os usuários devem passar por consulta de acolhimento, nos serviços de atenção especializada do Centro de Saúde Santa Marta (rua Capitão Montanha, 27/5º andar, no Centro Histórico) e do Centro de Saúde IAPI (rua Três de Abril, 90, no bairro Passo d'Areia).
No Santa Marta, não é necessário agendamento prévio. O acolhimento é feito de segunda a sexta-feira, às 9h e às 14h, por ordem de chegada. No IAPI, o horário para o acolhimento deverá ser agendado, pessoalmente, de segunda a sexta-feira, em horário comercial. Pacientes que residem fora de Porto Alegre devem se dirigir ao serviço mantido pela Secretaria de Estado da Saúde no Hospital Sanatório Partenon, na avenida Bento Gonçalves, 3.722.
De acordo com a liberação da Anvisa, a indicação do Truvada possibilitará redução do risco de infecção provocada pelo vírus quando adquirido sexualmente em adultos de alto risco - gays, homens que fazem sexo com homens, pessoas trans, profissionais do sexo e casais sorodiscordantes (em que apenas um possui o vírus). A prescrição do Truvada para os casos de pré-exposição faz parte de uma estratégia abrangente de prevenção somente em indivíduos que sejam comprovadamente HIV negativos.
O medicamento é uma combinação farmacológica de duas substâncias ativas: entricitabina (FTC) e fumarato de tenofovir desoproxila (TDF). A indicação aprovada prevê a administração diária, em combinação com práticas sexuais mais seguras.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia