Na tenda de Roberta o cliente paga um preço único e tem suco liberado Na tenda de Roberta o cliente paga um preço único e tem suco liberado Foto: /LUIZA PRADO/JC

Uma paradinha com degustação de frios e suco à vontade em Torres

Tenda do Véio foi aberta para que os donos pudessem se casar

Quem pega a Estrada do Mar até Torres deve conhecer a fama da Fruteira do Pelé e da extinta Fruteira do Gaúcho - hoje Mercado da Zena. No caminho, há uma terceira e mais recente, a Tenda do Véio. O que muita gente não sabe é que o empreendimento nasceu com o apoio das duas outras tendas, que são parte da mesma família.
"A Fruteira do Pelé e a Fruteira do Gaúcho eram de dois irmãos que casaram com duas irmãs. Eu sou irmã delas", conta a empreendedora Roberta Evaldt Hahn, 36 anos, que sempre trabalhou em tendas de beira de estrada - e não se imagina fazendo outra coisa. Ela começou como funcionária da irmã na Fruteira do Gaúcho enquanto cursava o Ensino Médio, e hoje tem a própria.
O negócio surgiu para que Roberta e o marido (o "véio" da história) pudessem se casar. "Minha família gostaria que ele tivesse um emprego fixo para nosso sustento, então o ajudou a abrir a tenda", afirma.
LUIZA PRADO/JC
Até hoje, para garantir o caldo de cana de beira de estrada para os turistas, a Fruteira do Pelé é que distribui o insumo para os três negócios, por exemplo. A família é natural de Dom Pedro de Alcântara, distrito de Torres que virou município em 1995.
Além da oferta de produtos coloniais, objetos e alimentos característicos do Rio Grande do Sul, as tendas da região têm outra particularidade em comum: degustação de queijos e salames grátis logo na chegada dos visitantes.
"A degustação ajuda, faz o cliente conhecer o produto e isso dá retorno." Roberta conta, ainda, que na crise o número de tendas em Torres diminuiu, por causa das despesas. "A própria do Pelé tinha duas, agora tem só uma", ilustra.
O destaque da Tenda do Véio, além dos sucos naturais à vontade por R$ 7,50, é a torrada completa, feita com pão sovado, salame, queijo colonial, alface, tomate, bife e ovo, por R$ 15,00. O local funciona das 7h30min às 21h no verão e até as 19h no inverno. O diferencial de ser um negócio de beira de estrada em alta temporada? "Tem que ter disposição sempre. Todo mundo vai passar por aqui", registra.
LUIZA PRADO/JC
LUIZA PRADO/JC
Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Publicidade
Newsletter

HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS PARA
VOCÊ SE INSPIRAR.

Receba no seu e-mail as notícias do GE!
Faça o seu cadastro.





Mostre seu Negócio