Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 11 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

terceira idade

10/02/2018 - 17h29min. Alterada em 11/02 às 20h38min

Complexo une hotelaria e cuidados em saúde para idosos

Serraville conta com três prédios, com leitos projetados especialmente para pessoas mais velhas

Serraville conta com três prédios, com leitos projetados especialmente para pessoas mais velhas


serraville/Divulgação/JC
Amanda Jansson Breitsameter
As necessidades especiais da terceira idade foram a inspiração para o casal de profissionais da saúde Milena e João Paulo Fischer inaugurar o Serraville - complexo localizado na cidade gaúcha de Dois Irmãos, na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) voltado a idosos. A aposta deu tão certo que, cinco anos depois, o empreendimento já conta com três prédios. Somente a expansão mais recente somou investimento de R$ 6 milhões.  
Em um país no qual a população de idosos cresce a cada dia, negócios voltados a este grupo cada vez mais serão demandados. Segundo o coordenador do Núcleo de Demografia e Previdência da Fundação de Economia e Estatística do RS (FEE), Pedro Zuanazzi, o Rio Grande do Sul é o estado com a quinta maior expectativa de vida do Brasil, com média de 77,8 anos, além de ser o estado com o maior percentual de idosos no Brasil.
Em 2016, a fatia com 60 anos ou mais representava 16,06% da população gaúcha. No Brasil, o contingente respondia por 14,3% em 2015, que são os dados disponíveis. Com isso, fica cada vez mais flagrante o grande leque de possibilidade para quem quer investir no mercado voltado à "melhor idade", adverte Zuanazzi.
O Serraville é um caso típico de serviço emergente que ganha força na carona do efeito demográfico. O casal inaugurou o local originalmente com dois prédios, no modelo mais comum de residencial. Uma edificação voltada a clientes com mais necessidades de acompanhamento, e o segundo, onde funciona uma clínica e centro de reabilitação, que são o suporte de assistência aos pacientes do próprio local e ainda disponibilizam consultas médicas particulares à comunidade externa. A ampliação recente transformou o Serraville em complexo.
Um novo prédio de cinco andares foi construído, com 81 leitos em suítes privativas e semiprivativas, além de contar com Wi-Fi (conexão à internet sem fio), camas com altura mais baixa - que permitem que se firme melhor os pés no chão ao levantar -, e móveis com cantos arredondados, para prevenir acidentes. Conforme Milena, que tem especialização em geriatria e gerontologia - o marido e sócio é médico geriatra -, todos as características do ambiente foram pensadas para facilitar a vida das pessoas com mais idade.
"A equipe médica está disponível 24 horas para atender a emergências, além de termos reuniões semanais com pacientes para identificar possíveis problemas de saúde desde o seu início, tratando e prevenindo desde cedo qualquer condição", conta a fisioterapeuta. O local ainda oferece serviços de fisioterapia, fonoaudiologia, nutricionista e musicoterapia, além de fisioterapia aquática e hidroterapia, contando com acessibilidade para cadeirantes.
> Gráficos mostram o peso cada vez maior dos idosos na população do RS e Brasil:
 
Para Zuanazzi, o orçamento familiar também deve ser levado em consideração ao tomar esse tipo de decisão. Segundo um levantamento da instituição, com base na Pesquisa da Orçamento Familiar de 2008 e 2009 no Estado, as famílias com, pelo menos, um idoso em casa gastam, em média, 4,5 ponto percentual mais na renda domiciliar per capita com saúde, incluindo custos com farmácias, consultas médicas e internação. Com as dificuldades próprias da idade, pode ser alternativa ao idoso estar em um lugar cercado de cuidados médicos, quando a renda permitir. O preço dos serviços em complexos como o Serraville, que oferecem o pacote de opções de cuidados e suporte, variam entre R$ 7 mil e 10 mil mensais, dependendo se o quarto é individual ou até privativo e do grau de dependência do paciente e outros serviços incluídos na contratação.
Ao contrário do que é comum pensar, Milena diz que a presença da família é uma das características mais marcantes no local. "Nossos pacientes têm famílias muito presentes, que estão sempre visitando e acompanhando o idoso. Ninguém foi 'largado' aqui, muito pelo contrário - a família muitas vezes participa do tratamento, pode visitar em qualquer horário, inclusive os filhos ou parentes podem ficar por alguns dias para acompanhar o paciente", explica a sócia do Serraville.
A fisioterapeuta comenta ainda a resistência de muitos filhos e outros familiares em instalar o idoso em ambientes como o complexo. Mas ela lembra que a alternativa pode ser uma opção para evitar que a pessoa fique isolada em casa, sem companhia e sem fazer atividade física. "Ou seja, não interage o bastante", exemplifica Milena. O Serraville também é opção para quem quer viajar de férias e não pode levar o idoso por motivos de saúde ou para as férias do cuidador, no caso de idosos que já possuem o auxílio de um profissional. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia