Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Notícia da edição impressa de 17/01/2018. Alterada em 16/01 às 21h00min

Embraer encerra 2017 com 210 jatos entregues

Fabricante brasileira poderá ter parceria com norte-americana Boieng

Fabricante brasileira poderá ter parceria com norte-americana Boieng


/embraer/DIVULGAÇÃO/JC
A Embraer divulgou ontem que ficou dentro de sua meta e entregou 210 jatos em 2017 - 101 comerciais e 109 executivos (72 leves e 37 grandes). A estimativa da companhia para o ano era de entregar de 97 a 102 jatos comerciais, de 70 a 80 jatos executivos leves e de 35 a 45 jatos executivos grandes. A empresa brasileira terminou o ano passado com US$ 18,3 bilhões na carteira de pedidos.
Segundo a Embraer, desde que foi fundada, em 1969, a empresa de São José dos Campos já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, 145 milhões de passageiros são transportados anualmente por aparelhos da companhia.
Em dezembro de 2017, a imprensa noticiou que a americana Boeing negocia parceria com a Embraer. O negócio pode levar à venda de alguma parte da operação da brasileira. O movimento da Boeing é uma resposta à compra anunciada pela Airbus do controle do programa de jatos regionais CSeries, da Bombardier, que custou US$ 6 bilhões para ser desenvolvido. A Embraer travou uma dura briga com a canadense, que envolveu queixas por subsídios nacionais, e venceu: tem 46% do mercado regional, ante 34% da rival.
Os europeus colocaram um pé no nicho de jatos de 61 a 120 passageiros. A grande aposta da brasileira é o programa EJets-2, que está mais avançado do que o CSeries.
Airbus e Boeing seguem disputando palmo a palmo o mercado de aeronaves maiores, que também é cobiçado pela novata chinesa Comac. Estima-se que mais de um terço da demanda de aviões até 2030 no mundo seja da região da Ásia-Pacífico.
No mercado, a especulação é sobre uma participação da Boeing por meio de injeção de capital ou com a criação de uma joint venture específica para os jatos regionais. As linhas de defesa e de aviação executiva da Embraer permaneceriam como estão hoje, pelas conversas iniciais.
Os principais acionistas da Embraer são Brandes Investments Partners (15%), BndesPar (5,4%), Previ (4,8%) e Oppenheimer Funds (4,8%). Outros somam 73,86%, e 0,94% é de ação em tesouraria. A fabricante faturou R$ 21,4 bilhões em 2016. No terceiro trimestre de 2017, obteve lucro de R$ 351 milhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia