Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/01 às 20h35min

Dólar cai ante rivais com expectativa de aperto monetário fora dos EUA

O dólar fechou em queda nesta sexta-feira (12), na comparação com os principais rivais, pressionado por expectativas de aperto monetário fora dos Estados Unidos.
O índice DXY, que mede a moeda americana contra uma cesta de outras seis divisas fortes, fechou em baixa de 0,96%, aos 90,974 pontos.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar recuava a 111,04 ienes, de 111,22 ienes na tarde de quinta; o euro subia para US$ 1,2183, de US$ 1,2032; e a libra avançava a US$ 1,3731, de US$ 1,3536.
Uma alta na inflação dos EUA observada nesta sexta não foi o bastante para evitar o declínio da moeda americana, com os investidores focando na possibilidade de aceleração do crescimento econômico fora do país. Expectativas de aumento de juros no exterior podem tornar ativos americanos menos atrativos para alguns investidores.
A ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu mostrou nas quinta que as autoridades consideraram um movimento no começo deste ano para reduzir ainda mais os estímulos, presumindo que o crescimento econômico permanece forte.
Além disso, o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) disse que reduziria as compras de bônus governamentais de longo prazo do país, aumentando as preocupações de que os BCs estão se preparando para recuar de políticas aplicadas no pós-crise que mantiveram os juros perto das mínimas históricas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia