Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 11/01 às 19h43min

Secretário do Tesouro dos EUA não descarta saída do Nafta

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, afirmou há pouco em coletiva de imprensa na Casa Branca que acredita que o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês) será renegociado entre o país, o Canadá e o México. No entanto, ele disse que, caso um acerto não seja firmado, os EUA não descartam "se retirar do acordo".
Ontem, autoridades canadenses declararam anonimamente à agência de notícias Reuters que acreditam que aumentaram as chances de os Estados Unidos saírem do Nafta. No entanto, em fala com a imprensa no final do dia, o presidente americano, Donald Trump, disse que não havia mudado "em nada a sua posição"
A renegociação do Nafta foi uma das bandeiras da campanha de Trump. Em 2016, o hoje presidente acusou o México e o Canadá de concorrência desleal. Após eleito, ele passou a pressionar pela renegociação do acordo. Já houve cinco rodadas de conversa multilateral, sem que um acerto final fosse alcançado.
Na mesma coletiva, Mnuchin disse ainda esperar que se aumentem as sanções americanas contra o Irã. É esperado que entre hoje e amanhã Trump anuncie a nova posição de Washington sobre o país. Ao lado de outras potências, os EUA são um dos signatários do acordo com Teerã para diminuição da atividade nuclear na república islâmica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia