Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Notícia da edição impressa de 12/01/2018. Alterada em 11/01 às 21h04min

Transporte aéreo de passageiros sobe em novembro

O tráfego aéreo mundial de passageiros (RPK) mostrou crescimento ainda mais forte em novembro do ano passado, informou a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês). A alta foi de 8% em relação a igual mês de 2016, sucedendo a variação positiva de 7,3% verificada em outubro.
No mesmo período, a oferta de assentos (ASK) subiu 6,3%, enquanto a taxa de aproveitamento dos voos subiu 1,2 ponto percentual, para 80,2%.
O resultado mensal aponta um cenário positivo para o setor em 2018, avalia o CEO da Iata, Alexandre de Juniac. "Esperamos que este ano seja o quarto consecutivo no qual o retorno sobre o capital investido superará o custo de capital na indústria. Em suma, começamos o novo ano confiantes", diz, em nota.
No recorte para a América Latina, os dados mostram aumento de 5,8% do tráfego de passageiros ante novembro de 2016. Com a oferta crescendo 4,7%, a taxa de aproveitamento nos voos ficou em 82,4%, a segunda maior entre as regiões.
Com relação à demanda por voos internacionais, houve alta de 8,1% ao redor do mundo, com evolução mais destacada na região da Ásia e Pacífico. Já a oferta subiu 6,6% ante novembro de 2016, levando a uma elevação de 1,1 ponto percentual da taxa de ocupação, para 78,2%.
O tráfego de voos domésticos subiu 7,8% em novembro do ano passado, com crescimento em todos os mercados, especialmente Índia e China. No período, a oferta subiu 5,9%, e a taxa de ocupação melhorou 1,4 ponto percentual, para 83,6%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia