Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 12/01/2018. Alterada em 11/01 às 22h31min

Produção industrial avança em oito locais pesquisados em novembro

A produção industrial subiu em oito dos 14 locais pesquisados de outubro para novembro, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, informou, nesta quinta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os destaques foram Espírito Santo, que registrou alta de 5,8% nessa comparação com ajuste sazonal, Bahia ( 3,5%), Pernambuco ( 2,6%) e Minas Gerais ( 2,4%).
Em contrapartida, Amazonas, Rio de Janeiro e Ceará tiveram taxas negativas em novembro, de 3,7%, 2,9% e 2,3%, respectivamente.
No geral, a indústria brasileira subiu 0,2% em novembro contra outubro, 4,7% na comparação com igual mês do ano anterior e 2,3% no acumulado do ano até novembro.
Segundo o IBGE, na comparação com novembro de 2016, a indústria subiu em 14 dos 15 locais pesquisados - sem ajuste sazonal, a série inclui Mato Grosso -, sendo as maiores altas dos estados de Goiás (17%) e do Pará (10,7%). Foram impulsionadas, principalmente, pelos avanços observados nos setores de produtos alimentícios (açúcar cristal, leite esterilizado/UHT/longa vida, óleo de soja refinado, leite em pó e carnes de bovinos congeladas, frescas ou refrigeradas), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (álcool etílico e biodiesel), e veículos automotores, reboques e carrocerias (automóveis), em Goiás; e de indústrias extrativas (minérios de ferro em bruto ou beneficiados), no Pará.
Na mesma comparação, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro também registraram taxas positivas acima da média nacional (4,7%), em alta de 8%, 7,1% e 5,6%, respectivamente. A única queda foi registrada pelo Rio Grande do Sul, de 0,2%, provocada pelo setor de máquinas e equipamentos.
Já no acumulado dos últimos 12 meses, o índice da indústria nacional subiu 2,2%, maior alta desde setembro de 2013 ( 2,3%), com taxa positiva em 12 dos 15 locais pesquisados, sendo as principais do Paraná ( 4,9%), de Santa Catarina ( 4,6%) e de Goiás ( 3,7%).

Duas empresas anunciam investimentos em Minas do Leão

Representantes das empresas Rio do Sul e Scala assinaram protocolo de intenções com a prefeitura de Minas do Leão para a instalação de plantas no Distrito Industrial da cidade, com investimento inicial de R$ 1,35 milhão. Devem ser geradas em torno de 60 vagas de trabalho, com perspectiva de ampliação. "São negócios que vão alavancar a economia de Minas do Leão e de toda a região, movimentando o comércio e criando um ciclo de desenvolvimento", disse o prefeito Miguel Almeida.
As empresas atuam na área florestal e são parceiras da CMPC Celulose Riograndense. Segundo o diretor da Rio do Sul, Paulo Roberto de Oliveira, serão investidos R$ 900 mil em Minas do Leão, compreendendo maquinário, equipamentos, veículos e edificações para os serviços de carregamento de madeira, terraplanagem e transporte. A previsão é que 20 empregos sejam criados.
Já a Scala, que auxiliará Celulose Riograndense no transporte de madeira, investirá R$ 450 mil em até seis meses após ter sua área de instalação liberada. De acordo com o sócio-administrador da empresa, Valmor Scapini, cerca de 40 postos de trabalho deverão ser gerado no início das operações.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia