Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 10/01 às 19h41min

Bolsas de Nova Iorque fecham em baixa em meio a relatos sobre Nafta

Os mercados acionários americanos deram uma pausa no rali visto neste início de ano e fecharam em baixa nesta quarta-feira (10), em um movimento de realização de lucros. A justificativa para a queda veio de relatos envolvendo o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês).
O índice Dow Jones fechou em baixa de 0,07%, aos 25.369,13 pontos; o S&P 500 recuou 0,11%, aos 2.748,23 pontos; e o Nasdaq perdeu 0,14%, aos 7.153,57 pontos.
Os três principais indicadores de ações dos Estados Unidos iniciaram o dia no território negativo, com os investidores dispostos a realizar lucros. Desde o início do ano, as bolsas de Nova Iorque vêm apresentando desempenho positivo apoiado no otimismo com o crescimento global. Até o momento, o S&P 500 e o Nasdaq não haviam encerrado pregões em queda, sustentando seis recordes consecutivos. O Dow Jones teve quatro máximas históricas no ano até o momento.
O gatilho para iniciar o dia em baixa foi a China. Analistas em Wall Street citaram relatos da imprensa americana que tratam da intenção do governo chinês de limitar ou reduzir as compras de títulos públicos do Tesouro americano. No entanto, ao longo da tarde, a notícia perdeu força e os índices de ações dos EUA dissiparam grande parte das perdas do começo da sessão. A Capital Economics, por exemplo, comentou que a China já vem reduzindo aos poucos as compras de Treasuries, mas ressaltou que as mãos do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) continuam atadas aos bônus americanos.
No meio da tarde, as bolsas ensaiaram recuperação, com o Dow Jones chegando a operar brevemente no campo positivo, embalado por papéis de bancos. A alta nos rendimentos dos Treasuries e a perspectiva positiva em torno dos balanços das instituições financeiras, que começam na próxima sexta-feira, apoiaram os principais bancos americanos: o J.P.Morgan encerrou em alta de 1,10% e o Wells Fargo ganhou 1,38%.
No entanto, o terreno negativo voltou a ser habitado pelo Dow Jones e pelos demais índices com relatos sobre o Nafta. No fim da tarde, circulou nos mercados a notícia de que autoridades canadenses estão cada vez mais convencidas de que o presidente dos EUA, Donald Trump, irá anunciar a saída americana do acordo, que está sendo renegociado por representantes dos EUA, do Canadá e do México. O fundo de índice (ETF) de ações mexicanas iShares MSCI Mexico (EWW) fechou o dia em baixa de 2,19%, a US$ 49,48. Já o ETF de ações canadenses iShars MSCI Canada (EWC) recuou 0,99%, a US$ 29,86.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia