Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 09/01 às 18h25min

Petróleo sobe e WTI atinge o maior nível em três anos após relatório do DoE

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte alta nesta terça-feira (9), influenciados pelo relatório mensal do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para fevereiro fechou em alta de 1,99%, a US$ 62,96 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo tipo Brent para março avançou 1,53%, a US$ 68,82. Com o resultado, o WTI atingiu o maior nível em três anos.
Os preços do petróleo aceleraram os ganhos nesta tarde e atingiram o patamar mais alto desde o fim de 2014, após o DoE informar, em seu relatório mensal de energia, que o consumo de petróleo e de outros combustíveis líquidos aumentará 2,4%, ou 470 mil barris por dia, neste ano e quase 2,0% no próximo ano, apesar da avaliação de que os altos preços do petróleo poderiam reduzir a demanda potencialmente. O documento também vê uma aceleração na produção dos EUA para 10,3 milhões de barris por dia em média neste ano. Além disso, o DoE elevou as estimativas para os preços do WTI para US$ 55,33 por barril, um aumento de 4,8% em relação à previsão de dezembro.
A expectativa de que o DoE irá informar a oitava queda consecutiva no volume estocado de óleo bruto no relatório semanal a ser divulgado nesta quarta-feira (10), também apoiou os preços da commodity. Analistas consultados pela S&P Global Platts estimam que os estoques de petróleo diminuíram 3,5 milhões de barris na semana passada.
Investidores também esperam para ver se o presidente americano, Donald Trump, irá ampliar o alívio de sanções contra o Irã nesta quarta-feira, como parte do acordo de 2015 para conter o programa nuclear iraniano. Novas sanções econômicas poderiam limitar as exportações de petróleo de Teerã. "O potencial de novas sanções, que podem restringir o fornecimento de petróleo, dá suporte adicional aos preços", disse o analista de pesquisa da corretora Sucden Financial, Geordie Wilkes.
A decisão de Trump vem na esteira de protestos contra o governo do Irã nas últimas duas semanas, que também aumentaram os preços do óleo. No entanto, Wilkes afirmou que espera que o mercado se consolide um pouco a curto prazo enquanto os investidores reavaliam alguns dos fatores recentes que levantaram os preços, incluindo a situação no Irã.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia