Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 17/01/2018. Alterada em 16/01 às 21h48min

Candidatura de Lula

Os velhos petistas fundadores do partido que ainda se mantêm na ativa estão se articulando para chamar a si uma solução salvadora que evite o mergulho no escuro que seria uma obsessiva continuação da candidatura de Lula em qualquer situação, mesmo se ele for barrado pela legislação.
Disposição desbaratada
A atual direção do partido, liderada pela chamada bancada da chupeta no Senado, tendo à frente a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o senador Lindbergh Faria (PT-RJ), está disposta a confrontar a Lei da Ficha Limpa ou a própria legislação penal e manter a candidatura do ex-presidente até o final. É considerada pelos fundadores uma disposição desbaratada que poderá levar o partido à beira da extinção.
Sem abandonar Lula
Os velhos tutores dizem que, se não for possível registrar a candidatura, nem o nome, nem a foto de Lula, não estarão na urna eletrônica. Essa é a realidade política. Então se procura outra fórmula, sem, contudo, abandonar a candidatura do ex-presidente. Esse novo dispositivo somente será acionado quando se esgotarem inteiramente as possibilidades reais de Lula concorrer e de tomar posse.
PT gaúcho como reserva
Neste sentido, o PT do Rio Grande do Sul é uma das principais reservas, pois, embora tivesse governo estadual no período das causas criminais, nenhum de seus dirigentes foi envolvido. Entretanto, os líderes regionais não estão dispostos a se lançarem em uma aventura presidencial. A saída seria pelo formato tradicional. O ex-ministro e deputado federal Patrus Ananias (PT-MG, foto), pai do programa Bolsa Família e administrador desse projeto durante os dois governos de Lula, é o coelho que o Partido dos Trabalhadores vai tirar da cartola na Hora H, quando o PT tiver de se viabilizar para a eleição de 2018.
Os nomes do PT
Dos grandes esteios do PT que poderiam ser chamados para esse pleito tão difícil, Patrus seria o nome mais adequado, segundo esses mentores. Outros grandes nomes, como os ex-governadores Jacques Wagner, Tarso Genro ou Olívio Dutra, não estariam dispostos a tamanho sacrifício. Candidatos de menor estatura são descartados.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia