Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 12/01/2018. Alterada em 11/01 às 21h59min

Seis por meia dúzia I

BETO RODRIGUES/DIVULGAÇÃO/JC
Os gaúchos, decididamente, são paradoxais em seus usos e costumes. Deixamos a cidade grande nos meses de verão para buscar sossego em cidades do Litoral, pretensamente para escapar dos congestionamentos e da amontoação de gente - no caso, Capão da Canoa.

Seis por meia dúzia II


BETO RODRIGUES/DIVULGAÇÃO/JC
Quando chegamos na maior parte das cidades praianas, o cenário é de ruas entupidas de carros, e a praia, tão cheia, que só uma pessoa magérrima consegue se esgueirar entre os guarda-sóis. Depois, voltamos às cidades com saudade da calma da praia. Entender, quem há de?
 

Porém...

...há quem curta entupimentos generalizados. Leitor conta que tirou a semana em Cidreira e constatou que a praia está quase deserta em dias úteis, comércio com pouquíssimos clientes. "Parece até inverno", reclama. Bem, um bocado de gente gostaria de estar no lugar dele.

Historinha de sexta

Personagem famoso do Rio de Janeiro dos anos 1950 e 1960 - virou até filme -, o malandro Madame Satã ficou conhecido por ter matado um desafeto em um duelo embaixo dos arcos da Lapa, uma legítima cena de faroeste. Não levava desaforo para casa e, embora fosse um tipo franzino, era bom de briga barbaridade. Entrevistado pelo jornal O Pasquim, perguntaram a ele como ele havia matado o sujeito.
Peraí. Eu não matei ninguém, quem matou foi Deus!
E arrematou:
Eu só fiz o furo.
Como disse Winston Churchill, quando se tem que matar um homem não custa nada ser educado.

A imigração...

Após um ano de mandato, Donald Trump continua pressionando mudanças na imigração norte-americana. Ele pretende elevar o nível de pessoas que entram no país, de acordo com o seu nível de capacitação profissional. Essas medidas combinadas reduziriam a imigração legal para os EUA em até 50% num horizonte de 10 anos. Algumas medidas estão dando muito certo em termos econômicos

...segundo Trump

O presidente norte-americano argumenta que, ao reduzir a imigração de pessoas pouco capacitadas, estaria protegendo os trabalhadores norte-americanos e os seus salários. Cresceu muito o número de vistos e, depois, do green card de investidores estrangeiros que investem, pelo menos, US$ 500 mil em negócio próprio e que dão emprego para, pelo menos, 10 norte-americanos.

Quem te viu, quem te vê

Quem vê a Cotrijuí hoje, em seu lastimável estado financeiro, não sabe, ou sabe pouco, da época de ouro da cooperativa, que cresceu a olhos vistos até meados dos anos 1970, quando houve o famoso boom da soja.
Jorrava tanto dinheiro que a gigante de Ijuí horizontalizou toda a cadeia. Era dona de vagões, de supermercados, de farmácias e de aviões agrícolas. Parecia uma boa ideia na época. Mas não era.

Verdades verdadeiras

Wall Street é o único lugar onde as pessoas chegam em Rolls Royce para ouvir conselhos de pessoas que chegam de metrô. A frase é do maior investidor do mundo, Warren Buffett, no livro escrito por Janet Lowe e ofertado a clientes da Privatto Investimentos. No mesmo diapasão, o crítico norte-americano Ambrose Bierce disparou esta: "Eleitor é um indivíduo que goza do privilégio sagrado de votar numa pessoa que foi escolhida por outra".

Miúdas

  • COISA mais estranha. O colunista viu ontem um casal jovem sem tatuagens pelo corpo. Mas onde é que vamos parar?
  • ASILO Padre Cacique está vendendo Fusca 72 cor azul, único dono, avaliado em R$ 15 mil. Está exposto na vizinha Panambra.
  • NA contramão do setor, a empresa de varejo farmacêutico Brasil Pharma entrou em recuperação judicial.
  • REDE com 288 lojas, atua principalmente em estados do Nordeste. Tem dívidas de mais de R$ 1 bilhão.
  • CRITICAM a falta de guarda-vidas em praias fluviais e lacustres do Interior, expondo "banhistas a riscos".
  • MINUTINHO. Quem se expõe a riscos é o banhista. O guarda-vidas corre atrás do prejuízo alheio. Questão de conceito.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia