Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

serviço

Notícia da edição impressa de 06/02/2018. Alterada em 05/02 às 18h09min

RGs e passaportes poderão ser obtidos em cartórios

Obter um documento de identificação se tornará mais fácil com a publicação do Provimento nº 66 da Corregedoria Nacional de Justiça. Isso porque o Diário de Justiça publicou a medida administrativa da Corregedoria que permite ao cidadão fazer a carteira de identidade e o passaporte em cartórios.
Atualmente, na maioria das unidades da Federação, é preciso ir até um órgão público, como as Secretarias de Segurança, para solicitar o RG. Com o provimento, a Corregedoria espera diminuir a burocracia na obtenção do documento. Além de estender a rede de atendimento para os cidadãos, a medida também amplia o rol de serviços prestados pelos cartórios, que atualmente já registram nascimentos, casamentos e óbitos.
O primeiro passo agora é a assinatura de um convênio, que deve ser firmado entre a associação que representa as chamadas serventias de registro civil de pessoas naturais e o órgão que emite determinado documento. A Secretaria de Segurança Pública, responsável pelo Registro Geral (RG), e a associação dos cartórios do respectivo estado precisam formalizar parceria para facilitar o acesso da população a uma carteira de identidade. No âmbito nacional, a Polícia Federal tem de se conveniar à associação nacional dos cartórios de registro natural para dinamizar o acesso a um passaporte.
Em ambos os casos, os acordos deverão ser analisados e homologados pelo Poder Judiciário. Convênios locais passarão pelas corregedorias dos tribunais estaduais, e convênios federais, pela Corregedoria Nacional de Justiça.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia