Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 09/01/2018. Alterada em 08/01 às 19h03min

A gestão na advocacia: robô-advogado (e que fala em português) já é realidade

Rodrigo Bertozzi
Sucesso na área jurídica em muitos países afora, a presença do robô de atendimento ainda engatinha no Brasil. Muitos escritórios relutam em implantar a tecnologia porque até agora o robô-advogado só escrevia, não "falava" em português. Mas a tendência é de mudanças, com a chegada no mercado de um novo assistente de inteligência artificial capaz de atender e responder rapidamente, em português do Brasil, 70% da comunicação com os clientes do escritório por meio de telefone, skype, chat, redes sociais e e-mail. Por meio do IBM Voice Gateway, que faz a integração aos sistemas telefônicos e serviços de atendimento em nosso idioma nativo, o robô está apto para fazer o primeiro atendimento com um cliente, marcar reuniões, dar informações processuais e responder questões diversas, de acordo com a especialidade da banca. A solução omnichannel - telefone, internet, rede sociais - vem ao encontro às necessidades atuais de comunicação e libera o tempo de advogados e funcionários para o verdadeiro propósito da advocacia: analisar processos, gerar novas teses, desenvolver conceitos e crescer.
Além de oferecer uma recepção de excelência desde a primeira ligação ou informação processual, a implantação desse tipo de tecnologia no escritório promove uma verdadeira identidade de atendimento na relação cliente-advogado, uma vez que o robô - conhecido por BOT - é "ensinado e moldado" pelos sócios do escritório para o atendimento específico a cada cliente, com a bagagem, experiência e os requisitos inerentes à capacidade profissional da banca. E quanto mais intenso for o treinamento dos advogados com o BOT melhor será o diálogo dele com os clientes do escritório e mais a fundo ele poderá resolver questões que antes só um ser humano conseguiria. Isso porque além das habilidades do IBM Watson - a mais avançada inteligência artificial do mundo - o assistente virtual traz consigo a experiência da equipe de advogados do escritório, somada à expertise de 19 anos em Gestão Legal da equipe da Selem Bertozzi Consultoria, desenvolvedora do robô.
Conhecendo a linguagem dos clientes e o tratamento que deve ser dispensado a cada um, o robô-advogado será rapidamente um artigo indispensável no escritório. É usar a tecnologia estrategicamente para melhorar o serviço e a qualidade das informações prestadas e ainda ter mais tempo para análise de processos, idas ao Fórum e até mesmo para fazer a prospecção de novos clientes. O BOT também tem capacidade de gerar relatórios estatísticos para tomadas de decisões e criação de estratégias inovadoras de marketing jurídico.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia