Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de fevereiro de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Notícia da edição impressa de 05/02/2018. Alterada em 01/02 às 17h46min

Agronegócio puxa mercado imobiliário

Considerando as 22 regiões do País, no entanto, o total de lançamentos acumula queda de quase 13%

Considerando as 22 regiões do País, no entanto, o total de lançamentos acumula queda de quase 13%


/CRISTINE PIRES/ESPECIAL/JC
Estados ligados ao agronegócio estão puxando a recuperação do mercado imobiliário no Brasil desde 2017. Na média, o crédito total (para pessoa física e construtoras) com recursos da poupança recuou 7,4% no País no ano passado, na comparação com 2016, segundo foi divulgado nesta terça-feira (30) pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança).
Em Mato Grosso, porém, houve aumento de 10%, a maior variação registrada pela entidade. Em Mato Grosso do Sul, que teve o segundo melhor desempenho, o crescimento foi de 4%, seguido pelo Tocantins (3%). Como comparação, o financiamento imobiliário de São Paulo, o principal mercado do País, caiu 6% em 2017. No Rio de Janeiro, a queda foi de 3%.
"Quando falamos da crise no setor imobiliário, precisamos ter em mente que ela não atinge igualmente todas as praças. O Centro-Oeste, em geral, tem registrado um comportamento muito diferente da média do Brasil", diz Gilberto Duarte de Abreu Filho, presidente da Abecip.
O crédito imobiliário desses estados se saiu melhor não só porque há mais gente comprando, mas também porque novos empreendimentos estão entrando nesses mercados. O financiamento à construção caiu quase 14% no Brasil em 2017. No Tocantins, no entanto, ele disparou 253%. "Houve crescimento no Amapá ( 98%) e em Rondônia (25%), mas esses são estados onde a base de partida é pequena. No Tocantins, não, lá estamos falando de um mercado que passou por um salto", diz Abreu Filho.
A safra recorde de 237,7 milhões de toneladas de grãos no País entre 2016 e 2017, segundo estimativa de janeiro da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), ajudou a elevar o ânimo das construtoras que atuam nas regiões de influência do agronegócio, impulsionando a desova de lançamentos.
Em Cuiabá (MT), por exemplo, o número de apartamentos lançados de janeiro a setembro subiu 279,5% ante 2016, de acordo com o mais recente levantamento trimestral da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção). Na Grande Goiânia, o crescimento foi de 12,5%. Considerando as 22 regiões do País analisadas pelo estudo, no entanto, o total de lançamentos acumula queda de quase 13%.
"Essas áreas têm uma sinergia grande com o agronegócio: quando ele vai bem, elas também vão. E o reflexo dos lançamentos deve ser sentido mais para frente nas vendas", aponta Celso Petrucci, presidente da Comissão da Indústria Imobiliária da Cbic.
Cezário Siqueira Gonçalves Neto, vice-presidente do Sinduscon-MT (Sindicato da Indústria da Construção Civil de Mato Grosso), destaca que os números são bons não só nas capitais, mas também em "cidades vetores" - municípios menores, mas ligados à produção agrícola, como Lucas do Rio Verde e Sorriso. Em Sinop (a 481 km de Cuiabá), o pedido de emissões de alvará em 2017 até novembro cresceu 8%, na comparação com 2016, de acordo com Gonçalves Neto.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia