Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

orçamento

Notícia da edição impressa de 07/12/2017. Alterada em 06/12 às 21h50min

Mantido veto a 12 emendas da Lei de Diretrizes Orçamentárias

Os vereadores mantiveram, ontem, por um placar apertado, os vetos parciais do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) ao projeto de lei das diretrizes orçamentárias de Porto Alegre. Das 28 emendas aprovadas em plenário em outubro, 12 vão ficar de fora da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que estabelece as metas e prioridades do orçamento.
Os vetos mantidos tratam da previsão de recursos para a Banda Municipal de Porto Alegre, ecografia mamária nos postos de saúde com atendimento até 22 horas, o Cartão Saúde para idosos, o Programa Municipal de Ligadura de Trompas e Vasectomia no Hospital Vila Nova, incentivos à produção rural na Capital, o programa de cirurgias eletivas aos sábados em modelo semelhante ao que ocorre em São Paulo, as Festas do Pêssego, Uva e Ameixa, a instalação de câmeras de monitoramento em postos de saúde e o programa Mais Saúde.
Além disso, três emendas com foco no funcionalismo foram vetadas: a priorização do pagamento em dia dos servidores, a revisão anual da remuneração e a inclusão de um artigo que exclui despesas de cargos de provimento efetivo do contingenciamento estabelecido no projeto.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia