Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

reforma da previdência

Alterada em 05/12 às 13h07min

Bancada PMDB na Câmara quer fechar questão sobre reforma da Previdência

Agência Brasil
A liderança do PMDB na Câmara vai solicitar à presidência do partido a realização de uma reunião executiva para deliberar sobre a possibilidade da bancada fechar questão em torno da votação da reforma da Previdência. Segundo o líder do partido na Câmara, Baleia Rossi (SP), a maioria da bancada já sinalizou que pode fechar questão em favor da aprovação da emenda constitucional que altera as regras de acesso à aposentadoria.
Quando um partido fecha questão, os parlamentares que não acompanham a decisão da executiva podem ter penalidades, como suspensão de atividades partidárias ou até mesmo expulsão da legenda. A assessoria da presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), disse que ainda não há previsão sobre a reunião da Executiva do partido.
A proposta de emenda constitucional que trata da reforma da Previdência aguarda análise do plenário da Câmara desde maio e ainda não foi votada devido à dificuldade da base governista em reunir o número mínimo de votos necessários para aprovação. Para ser aprovada, a reforma precisa de pelo menos 308 votos do total de 513 deputados, em dois turnos de votação, tanto na Câmara como no Senado.
No último fim de semana, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reuniu com o presidente Michel Temer e líderes de diferentes partidos para negociar estratégias de retomada da tramitação da proposta. As lideranças partidárias estão articulando os votos com suas bancadas e, segundo Maia, até o fim desta semana deve decidir se vai colocar ou não a proposta em votação este ano.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia