Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 29/12/2017. Alterada em 28/12 às 21h14min

Renascer!

Alice Schuch
Depois de anos de pesquisa sobre grandiosa e borbulhante inteligência ao feminino, cujo ápice foi minha recente defesa de tese de doutorado, concordo tranquilamente com a dra. Marcela Lagarde quando pontua que não se deve julgar nem acusar os homens por serem a causa direta dos males femininos, nem tampouco de maneira exclusiva de mantê-las servis. Segundo a autora, são as próprias mulheres que se obrigam a reproduzir as condições e as identidades genéricas no mundo, e esse mandato funciona tão bem que, mesmo quando está só, cada mulher é vigia de si mesma, porque não sabe ser de outro modo, não se atreve a sê-lo.
Lutar contra os homens é, pois, um retrocesso, uma perda de tempo. Somos grandes e capazes de construir-nos. Basta-nos conscientizar e incrementar a funcionalidade da nossa inteligência, auxiliar todas as mulheres e meninas a desenvolver a criatividade pessoal de modo superior, conquistando assim, com naturalidade, a almejada evolução histórica, econômica e social.
Publica-se hoje uma constante de desgraças, sofrimentos, antagonismos, rebeliões, as quais apontam que fomos e seremos de qualquer modo ludibriadas, logo, perdedoras. E assim entramos no jogo da vida de modo infantil, impulsionadas por uma carga erótico-agressiva, cujo resultado é a frustração geral.
Certamente podem acontecer momentos de perigo, de crise, e nessas situações ocorre permanecer na intuição da própria inteligência, fazendo um corte com a realidade externa, pois em tais ocasiões precisamos somente de nós mesmas. A beleza e o poder são o resultado da arte de cultivar a própria inteligência! Um belo, feliz e sereno ano próspero!
Escritora, pesquisadora do universo feminino
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia