Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 08/12/2017. Alterada em 07/12 às 21h29min

A eficiência da Justiça Militar Estadual

Fábio Duarte Fernandes
A Justiça Militar do Estado (Jmers) conquistou, pela terceira vez consecutiva, o Selo Ouro do CNJ. Instituído em 2013, o selo premia os tribunais que fomentam uma Justiça mais eficiente, rápida e transparente por meio do cumprimento das metas e resoluções nacionais. Essa é uma conquista da sociedade gaúcha e reflete a importância do trabalho realizado pela Jmers. No Brasil, a Justiça Militar está presente em todos os estados da Federação, sendo que sete podem dispor de Tribunais Militares e três possuem (Rio Grande do Sul, São Paulo Minas Gerais). Os jurisdicionados são os militares estaduais (policiais e bombeiros). Sobre esses servidores é exercido um rígido e célere controle de suas ações no trabalho.
Essencial, portanto, no contexto da segurança pública do Estado, posicionar o trabalho da Justiça Militar como o efetivo instrumento de controle social da população sobre os integrantes da Brigada Militar (BM). O agravamento dos indicadores de criminalidade também repercute no aumento dos inquéritos, que podem, posteriormente, resultar em processos. De acordo com a Corregedoria da BM, foram 509 casos registrados até o momento, uma média de um caso a cada oito horas. Esta situação torna imperativa a ação de um órgão especial como a Justiça Militar, com dedicação exclusiva e que pode atuar com a celeridade e eficiência que a sociedade exige.
Nos últimos cinco anos, o STF e o STJ têm reafirmado as decisões da Justiça Militar, o que atesta a correção dos julgamentos no órgão. Em 2018, o Tribunal de Justiça Militar completará 100 anos de serviços prestados à sociedade gaúcha. Tem como missão realizar a justiça de maneira imparcial e célere, contribuindo para a paz social. Assim, estamos muito orgulhosos da conquista do selo ouro e queremos compartilhar com a sociedade gaúcha.
Juiz militar, vice-presidente do TJM-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia