Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 07/12 às 13h14min

Hezbollah diz que reconhecimento de Jerusalém foi "agressão traiçoeira"

O grupo militante libanês Hezbollah afirmou nesta quinta-feira (7) que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pelos Estados Unidos fechou todos os caminhos de negociação. Segundo o grupo, a ação foi uma "agressão traiçoeira e maliciosa" contra os direitos dos palestinos.
Para o porta-voz do Hezbollah, Hassan Fadlallah, o anúncio dos EUA reafirmou que o único meio para restaurar os direitos é a "resistência armada". Segundo ele, a decisão provavelmente terá "repercussões catastróficas" na estabilidade regional e internacional, e provocará árabes e muçulmanos a darem uma resposta rápida.
Fadlallah disse ainda que a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ignorou "intencionalmente" as resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) e foi uma "rude depreciação das pessoas e dos estados dos mundos árabe e muçulmano".
O Líbano está tecnicamente em guerra com Israel. Os ataques do Hezbollah forçaram Israel a se retirar do sul do Líbano em 2000, e o grupo entrou em guerra com o país novamente em 2006.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia