Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Clima

Notícia da edição impressa de 08/12/2017. Alterada em 07/12 às 22h24min

Porto Alegre registra volume recorde de chuva

Ginásio Arena Universitária teve parte de sua estrutura destruída pela enxurrada da madrugada

Ginásio Arena Universitária teve parte de sua estrutura destruída pela enxurrada da madrugada


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Isabella Sander
O temporal registrado na madrugada desta quinta-feira causou diversos estragos na Região Metropolitana. Em apenas 10 horas - entre 4h e meio-dia -, Porto Alegre superou a média histórica do mês de dezembro. Choveu 138 milímetros na Capital - a média é de 101mm. Segundo o Centro Integrado de Comando (Ceic), os bairros Tristeza (102,20mm), Lomba do Pinheiro (86,4mm), Centro (74,6mm) e Sarandi (56mm) foram os que registraram maior acumulado de chuva. Conforme dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cenaden), choveu 131mm em Viamão até o meio-dia, enquanto a média para o mês é de 102mm. Também choveu forte no Litoral Norte, principalmente em Tramandaí.
Segundo a meteorologista Cátia Valente, da Sala de Situação da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), o problema não foi a quantidade de água que caiu, mas sim o fato de isso ter ocorrido em um curto período de tempo. "Se chovesse de forma mais espaçada, não geraria transtornos", observa. O restante do Estado se manteve seco. Para esta sexta-feira, assim como no fim de semana, a expectativa é de tempo firme e ensolarado.
Em Viamão, o volume de chuva em tão pouco tempo fez o arroio Feijó transbordar. Quatro famílias ficaram desabrigadas e foram encaminhadas para alojamento na Escola Municipal de Ensino Fundamental Luciana de Abreu, no bairro Vila Augusta,  até as águas baixarem. As regiões mais afetadas do município foram Estalagem, Augustas, Gaúcha, São Lucas, Santo Onofre e Jardim Universitário. A Unidade Básica de Saúde (UBS) Augusta Meneguine foi fechada em virtude de alagamento.
Conforme a prefeitura de Viamão, muitas famílias perderam tudo e precisam de doação de colchões, alimentos não perecíveis, roupas de todos os tamanhos e fraldas descartáveis. As roupas e os alimentos podem ser levados para os Centros de Referência em Assistência Social (Cras). Já os colchões estão sendo recebidos na Fábrica da Cidadania, na ERS-040, parada 36. O Corpo de Bombeiros atendeu 24 chamados na cidade. Trinta famílias ficaram ilhadas e precisaram de resgate.
Em Porto Alegre, parte da estrutura do ginásio Arena Universitária, na avenida Manoel Elias, Zona Norte, desabou. O funcionamento do local, porém, não precisou ser interrompido, uma vez que o desabamento só ocorreu na lateral, voltada para a rua 6 de Novembro, onde ficam os vestiários e os banheiros - as quadras esportivas ficaram intactas.
As regiões mais afetadas pela chuva, de acordo com dados da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), foram a avenida Sertório, entre as ruas Souza Reis e Dona Sebastiana, a avenida Ipiranga com a rua Joaquim Porto Vilanova, e a avenida Oscar Pereira, próximo à Estrada dos Alpes. Na Ipiranga, próximo à sede da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), paralelepípedos foram arrastados e geraram problemas no trânsito. Foi necessário bloqueio total da rua Giordano Bruno, em virtude da queda de uma árvore.
Diversas linhas de ônibus precisaram operar com desvios, especialmente na Zona Norte. A Unidade de Saúde Laranjeiras, no Morro Santana, e a Farmácia Distrital do Murialdo, no Partenon, sofreram alagamento e precisaram ser fechadas para limpeza.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, foram registradas 10 ocorrências de pessoas ilhadas na Capital, que precisaram de resgate. O local mais afetado foi o bairro Jardim das Palmeiras, com três notificações. No bairro Restinga, houve duas, assim como no Santa Cecília. As outras foram registradas nos bairros Lomba do Pinheiro, Nonoai, Cavalhada e Maria Goretti. 
Para esta sexta-feira, a previsão, tanto para o Rio Grande do Sul quanto para a Capital, é de tempo parcialmente nublado. A temperatura deve variar entre 13 e 36 graus no Estado, e entre 18 e 29 graus em Porto Alegre.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia