Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 26/12/2017. Alterada em 25/12 às 21h50min

Empresas de hardware registram 11% de aumento nos lucros

O setor de fabricação de dispositivos está adotando o software, em detrimento do hardware, como modelo de negócio principal. A conclusão é de um levantamento realizado pela Gemalto, especializada em segurança digital, junto a tomadores de decisão de 300 empresas de fabricação de dispositivos em cinco grandes mercados globais.
O relatório "Como o software está alimentando o renascimento do hardware" evidencia que a maioria (84%) das organizações do setor está mudando o modo como opera. Quase quatro em cada 10 delas (37%) já realizaram uma mudança total para um modelo de negócios centrado no software, um que coloque o software na essência de como a empresa oferece valor e gera receita.
A pesquisa também concluiu que 94% dos entrevistados aumentaram seu investimento no desenvolvimento de software nos últimos cinco anos. A Alemanha lidera. Todas (100%) as organizações alemãs questionadas impulsionaram seus serviços baseados em software durante esse período, com a França em segundo lugar (98%) e os EUA (93%) em terceiro.
A mudança destaca como o software tem se tornado crucial para os fabricantes de dispositivos, especificamente ao melhorar o desempenho e o crescimento da receita das empresas. E, conforme os usuários finais começam a exigir mais opções e controle dos seus dispositivos e dados, setores inteiros estão sendo forçados a alterar seus modelos e estratégias de negócios para atender seus clientes.
As empresas de tecnologia de hardware já estão colhendo benefícios substanciais. Das que mudaram seus modelos, o crescimento médio na receita foi de 11%. Elas esperam um maior crescimento nos próximos cinco anos, com a receita a partir do software projetada para crescer de 15% a 18%.
Além do crescimento da receita, empresas que mudaram para uma venda baseada em software presenciaram outros benefícios. Mais de oito em 10 impulsionaram a diversidade de hardware com recursos de software (86%), implementaram melhorias remotas de recursos (84%) e melhoraram a experiência do cliente (84%). As empresas também relataram que possuem uma estratégia de flexibilidade que lhes permite adaptar-se à mudança do mercado (79%), controlar melhor a proteção contra cópia (76%) e ser mais competitivas no mercado (73%).
Essas mudanças também estão causando um impacto positivo para funcionários. A maioria das empresas realizou um novo treinamento com seus funcionários (64%) e contratou novos (58%), com três em cinco (61%) também revelando que tiveram ou que pretendiam redistribuir funcionários entre diferentes funções.
Com as empresas começando a ver o potencial da Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), os modelos de negócios baseados em software estão gerando vantagens comerciais. Cerca de nove em cada 10 entrevistados (88%) acreditam que a IoT está impulsionando o crescimento do setor e que a própria IoT é uma chance de mudar o modelo de negócios da sua empresa (85%). Habilitar melhorias automatizadas (61%), suporte remoto (57%), coletar análises de uso (54%) e reunir mais informações de clientes e de maior qualidade (53%) são os principais benefícios que as empresas percebem com a habilitação de IoT.
O vice-presidente Sênior de Monetização de Software na Gemalto, Shlomo Weiss, comenta que as empresas que adotam modelos de receita baseados em software terão três vantagens principais: relacionamentos de longo prazo com seus clientes, fluxos de receita previsíveis e uma clara vantagem competitiva. "Isso envolve desde obter informações sobre uso de produtos a estruturas de pagamento por uso, além de penetração em novos mercados", relata.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia