Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Bancos

Alterada em 15/12 às 19h37min

Toffoli pede parecer da PGR sobre acordo dos planos econômicos

O ministro solicitou à PGR um parecer em função dos planos econômicos das décadas de 1980 e 1990

O ministro solicitou à PGR um parecer em função dos planos econômicos das décadas de 1980 e 1990


FELLIPE SAMPAIO/SCO/STF/JC
O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu na quinta-feira (14) à Procuradoria-Geral da União (PGR) um parecer sobre o acordo fechado entre a Advocacia-Geral da União (AGU), representantes de bancos e associações de defesa do consumidor sobre o pagamentos de perdas ocorridas na caderneta de poupança em função dos planos econômicos das décadas de 1980 e 1990.
A disputa, que já durava cerca de três décadas, foi encerrada com a assinatura das partes na última segunda-feira (11). O acordo depende agora somente da homologação do STF para passar a valer. Toffoli é relator de duas de cinco ações que estão no Supremo sobre a questão.
O ministro foi o único a dar andamento, pedindo a manifestação da PGR sobre o acordo, "uma vez que se trata de questão de ampla repercussão, com impactos financeiros, econômicos e ao consumidor", diz trecho do despacho da quinta-feira. As outras ações estão sob relatoria dos ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, que não tiveram movimentações. Os pagamentos, que ultrapassam os R$ 10 bilhões, devem começar logo após a homologação no STF.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia