Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

07/12/2017 - 19h31min. Alterada em 07/12 às 19h38min

Demanda da Azul tem alta de 10,2% em novembro; oferta sobe 9,4% no mês

A taxa de ocupação dos voos da Azul passou de 81,6% para 82,1%

A taxa de ocupação dos voos da Azul passou de 81,6% para 82,1%


MARCELO G. RIBEIRO/JC
agência estad
A Azul divulgou seus resultados prévios de tráfego relativos a novembro. Segundo a companhia aérea, a demanda (RPK) no mês passado teve crescimento de 10,2%, ante um aumento na oferta de assentos (ASK) de 9,4%, em comparação com novembro de 2016. A taxa de ocupação dos voos da Azul passou de 81,6% para 82,1%, na mesma base de comparação.
No acumulado do ano, a RPK da Azul cresceu 13,7%, enquanto a ASK teve avanço de 10,4%. Assim, em 11 meses, a taxa de ocupação chegou a 81,9%, ante 79,6% em 2016%.
Os resultados gerais da Azul em novembro foram impulsionados pelo mercado doméstico. No mês, a demanda nesta categoria de voos cresceu 4,6%, ante aumento de 2,9% na oferta. A taxa de ocupação em novembro foi de 80,9%, ante 79,6% um ano antes. No acumulado em 11 meses, a RPK cresceu 8,2%, ante avanço de 5,7% na ASK. A taxa de ocupação nos voos feitos dentro do Brasil ficaram em 80,1% até novembro, ante 78,3% em 2016.
Nos trajetos internacionais, a demanda cresceu 36,8%, enquanto a oferta registrou avanço de 45,5% em novembro. A taxa de ocupação, na comparação com o mesmo mês do ano passado, caiu de 92,3% para 86,9%. No acumulado de 2017, a demanda cresceu 41,9%, contra 37,1% da oferta. A taxa de ocupação neste ano está em 89,9%, ante 86,9% em 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia