Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 07/12 às 19h20min

Petróleo se recupera e fecha em alta, ainda sob efeito de dados do DoE

Os contratos futuros do petróleo se recuperaram nesta quinta-feira (7), e fecharam em alta, após uma queda consistente ontem, apoiados pelo recuo dos estoques da commodity nos Estados Unidos.
Na Nymex, o petróleo WTI para janeiro subiu US$ 0,73 (1,30%) e fechou a US$ 56,69 por barril. Já na ICE, em Londres, o Brent para fevereiro avançou US$ 0,98 (1,63%) encerrando a US$ 62,20 por barril.
Ontem, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) dos EUA divulgou dados semanais mostrando uma queda de 5,6 milhões de barris nos estoques de petróleo bruto na semana encerrada em 1º de dezembro. No entanto, um avanço inesperado das reservas de gasolina, bem como uma produção mensal recorde das companhias que extraem petróleo de xisto, resultou numa onda de vendas dos contratos no mercado.
"Essa é apenas uma recuperação técnica após a queda de ontem", disse Eugen Weinberg, do Commerzbank. Ele afirmou que espera que os preços continuem a cair nos próximos meses, diante do aumento da produção americana. "O fator mais importante não é mais a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), mas sim a produção de xisto nos EUA."
Na semana passada, membros e não membros da Opep concordaram em estender o acordo de corte de produção até o final do próximo ano. Os preços subiram moderadamente após a decisão, uma vez que a extensão já vinha sendo precificada pelos investidores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia