Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Sistema financeiro

Alterada em 07/12 às 17h51min

Bndes pode se desfazer de 10% de participações em grandes grupos

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) deve se desfazer de, pelo menos, 10% das participações que possui em grandes grupos privados. O dinheiro será usado para comprar novas posições, em renda fixa ou variável, em pequenas e médias empresas que têm foco em inovação.
O presidente do banco, Paulo Rabello de Castro, estimou em R$ 60 bilhões o total de participações em grandes empresas. Ressaltou, porém, que o valor varia de acordo com o preço diário das ações.
Segundo o executivo, a transferência do dinheiro das empresas de maior para as de menor porte com viés tecnológico condiz com a atual estratégia do banco. A mudança será gradual, começando com pelo menos 10%, mas podendo alcançar o total das participações. "O céu é o limite", afirmou, após evento promovido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Entre os grandes grupos privados dos quais o banco deve sair está o frigorífico JBS, citado nas delações da Operação Lava Jato.
Como exemplo do modelo de venda, Rabello falou sobre o programa de desinvestimentos da Petrobras. "Só não gosto do nome porque esse é um banco de investimento", brincou. Mas, assim como a estatal do petróleo, ainda vai submeter o projeto de venda dos ativos ao Tribunal de Contas da União (TCU). Só depois lançará as propostas ao mercado, o que deve acontecer no primeiro semestre do ano que vem. A intenção é se desfazer de uma só vez de um bloco de ações. "Pode ser a venda de (uma participação em) uma companhia de uma vez só, mediante leilão", disse Rabello, destacando, no entanto, que o modelo de venda ainda não está definido.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia